Fala pessoas, tudo bem com vocês? Como já devem saber, o acidente na barragem de Mariana – MG acabou por tomar rumos catastróficos. Inclusive comprometer a vida marinha, por cerca de cem anos.
BB-Barragem-Mariana-20151106-3
O biólogo André Ruschi, da Estação Biologia Marinha Augusto Ruschi, localizada em Aracruz (ES) alegou em seu Facebook que é mais do que necessário o fechamento da empresa Samarco, responsável pelo acidente em Mariana. Ele explicou que o impacto ambiental gerado pelo incidente, pode comprometer o Refúgio de Vida Silvestre de Santa Cruz, um dos principais criadouros do Oceano Atlântico.

André também questionou por que a Samarco não fechou o reservatório ao invés de abrir o caminho do rio para que a lama tóxica passasse, e depois limpassem a lama acumulada na calha do rio. Em um trecho de sua mensagem ele diz:




“Esta sopa de lama tóxica que desce no rio Doce e descerá por alguns anos toda vez que houver chuvas fortes e irá para a região litorânea do ES, espalhando-se por uns 3.000 km² no litoral norte e uns 7.000 km² no litoral ao sul, atingindo três Unidades de Conservação marinhas – Comboios, APA Costa das Algas e RVS de Santa Cruz, que juntos somam uns 200.000 km no mar. Os minerais mais tóxicos e que estão em pequenas quantidades na massa total da lama, aparecerão concentrados na cadeia alimentar por muitos anos, talvez uns 100 anos.”

Ele ainda completou dizendo que a empresa, ao saber disto, simplesmente debochou de tal ato e não considerou o fato de ter parcialmente acabado com a 5ª maior bacia hidrográfica do Brasil.

E então, o que acham disso? Acham que realmente a vida marinha estará comprometida? Que medidas devem ser tomadas contra a Samarco? Comentem!