Mistério

Massacre no Natal: A Morte da Família Lawson

Charles Lawson era um fazendeiro e pequeno produtor de tabaco que vivia em Stokes County na Carolina do Norte. Vindo de família simples, em 1911 se casou com Fannie Marning e teve 8 filhos, infelizmente o terceiro, chamado William, faleceu ainda criança em 1920. Em 1927 ele conseguiu realizar o sonho da terra própria, assim começando sua plantação de tabaco, a família viveu bem e feliz por dois anos, até que o fatídico dia 25 de dezembro de 1929 chegou. Naquele dia Charles decidiu que sua família merecia roupas novas e uma fotografia para registrar o momento, vale ressaltar que na época fotos custava muito caro e os Lawson não eram nada ricos. Infelizmente, aquelas roupas mais tarde se tornariam vestes fúnebres. Quando já estavam em casa, Carrie de 12 anos e Maybel de 7 decidiram visitar seu tio que morava próximo, quando Charles as surpreendeu no celeiro e atirou com uma espingarda em ambas, depois para garantir a morte ele golpeou a cabeça das meninas com a base da arma. A próxima vítima foi sua esposa, Fannie, que estava na varanda quando recebeu um fatal disparo.

Neste momento Marie, de 17 anos, gritou desesperadamente e pegou seus irmãos James e Raymond, de 4 e 2 anos, na tentativa se esconder da morte. Charles estava determinado, então entrou em casa e atirou contra Marie e os dois meninos. Por último, o assassino subiu as escadas ao encontro de Mary Lou de apenas 4 meses e a espancou até a morte. Arthur, o filho mais velho de 19 anos, sobreviveu pois não estava em casa no momento da chacina, tinha ido até a cidade comprar mais cartuchos de espingarda. Depois de todo o feito, Charles foi até a floresta próxima e cometeu suicídio. Todos os corpos foram encontrados de braços cruzados e com rochas abaixo de suas cabeças. Depois do ocorrido diversos rumores foram se dissipando, dentre eles diziam que foi um crime organizado para parecer exatamente o que foi, isto porque alguém estava interessado em exterminar a família como queima de arquivos, porém todas as investigações alegaram isto não ser possível, as evidencias de homicídio seguido de suicídio eram claras.

Os motivos nunca foram esclarecidos, porém existem também algumas especulações. Uma surgiu quando M. Bruce Jones e Trudy J. Smith começaram a escrever seu livro Bloody Christmas, segundo eles Charles tinha uma relação incestuosa com Marie e Fannie, sua esposa, sabia de tudo. Segundo outro livro publicado sobre o massacre, Ella May traz uma informação que talvez faça tudo ter algum sentido. Marie estava grávida de seu próprio pai, portanto todos saberiam do ocorrido e a humilhação da família na cidade seria enorme, talvez Charles tenha se desequilibrado por este motivo e assassinado toda sua família. Claro, não há nada que justifique um crime tão hediondo e cruel, porém é interessante tentar entender como a mente de alguém tão terrível funciona. Depois de todo o ocorrido, o irmão de Charles transformou a casa em ponto turístico, fazia tours e mostrava o bolo que Marie havia feito no dia de sua morte, uma bizarra forma de fazer dinheiro com seu próprio sofrimento. Centenas de pessoas iam até o local e grande maioria dizia sentir-se extremamente mal, sensação de sufocamento. Nos anos 70 a casa foi destruída e o assoalho utilizado para fazer uma ponte onde ainda podem ser vistas manchas de sangue. Depois de tão trágicas mortes, fantasmas foram diversas vezes vistos na propriedade, muitos vizinhos e visitantes viam crianças brincando pelos jardins, também havia uma densa nevoa durante a noite que desligava os carros que por ela passavam, durante o tempo desligado manchas de mãozinhas eram marcadas nos vidros e espelhos. Religiosos acreditam que a família não pode descansar durante a eternidade já que foram enterrados longe do solo sagrado, isto tendo em vista toda a situação. Todos eles foram sepultados em uma vala comum na cidade vizinha de Walnut Cove.

Certa vez um grupo chamado FVE esteve no local dos túmulos para fazer uma investigação e lá deixaram um gravador que registrou algo bastante interessante… Escute:

Segundo os mesmos é possível escutar diversas batidas e, logo após, a voz de uma criança dizendo ‘Stop button!”. Eles acreditam que uma das crianças estava tentando desligar o gravador quando a outra indicou que deveria apertar o botão de parar. Claro, crianças dos anos 30 não deveriam saber como um gravador funciona, mas não seria egocentrismo acreditar que os espíritos estão ao nosso redor, mas não tem capacidade de aprender coisas novas?

Informações extras!!!: 

  • O filho sobrevivente Arthur Lawson faleceu em 1944 em um acidente de carro, na época tinha apenas 33 anos.
  • Acima do túmulo da família diversas pessoas colocam brinquedos para os pequenos falecidos, muitos levam bonecas, bolas de futebol e carrinhos, mas um ursinho em especial tornou-se bastante assustador. Isto porque, com o tempo, o bichinho ficou tão destruído que sua imagem hoje apavora, fora o rugido que emite quando pressionado.
Participe! Deixe seu comentário...

Você também pode gostar de