Curiosidades

Conheça o ‘sangue dourado’, o tipo sanguíneo mais raro do mundo

Conheça o ‘sangue dourado’, o tipo sanguíneo mais raro do mundo

O “sangue dourado”, também conhecido como “sangue Rh-nulo”, é um tipo sanguíneo extremamente raro que só foi identificado em 43 pessoas em todo o mundo nos últimos 50 anos. Esse tipo sanguíneo ganha destaque por ser bastante procurado para meios de pesquisas científicas e transfusões de sangue, ao mesmo tempo em que surpreendentemente também pode ser incrivelmente perigoso para os seus portadores, por causa de sua escassez. Mas afinal, do que realmente se trata esse tipo sanguíneo?

Para entender o sangue dourado, é importante entender primeiramente como funcionam os tipos sanguíneos. O sangue humano pode até parecer ser igual em todas as pessoas, mas na prática as suas características variam bastante. Na superfície de cada um dos nossos glóbulos vermelhos temos até 342 antígenos (as moléculas que acionam a produção de certas proteínas especializadas chamadas anticorpos), de modo que é a ausência de certos antígenos que determinam o tipo sanguíneo de uma pessoa. Cerca de 160 desses antígenos são considerados comuns, o que significa que eles são encontrados nos glóbulos vermelhos da maioria dos seres humanos no planeta. Consequentemente, se alguém não tiver um antígeno encontrado em 99,99% dos seres humanos, logo o seu sangue é considerado muito raro.

Os 342 antígenos conhecidos pertencem a 35 sistemas de grupo sanguíneo, dos quais o sistema Rh, ou “Rhesus”, é o maior, com 61 antígenos. Não é incomum que alguns humanos sintam a falta de um desses antígenos. Por exemplo, cerca de 15% dos caucasianos sentem falta do antígeno D, o antígeno Rh mais significativo, tornando-os RhD negativos. Em contraste, os tipos sanguíneos Rh negativos são muito menos comuns nas populações asiáticas (0,3%). Mas e se um humano perder todos os 61 antígenos Rh? É aí que entra em cena o tal “sangue dourado”.

Até meio século atrás, os médicos acreditavam que nem mesmo um embrião com esse tipo sanguíneo não poderia sobreviver no útero. No entanto, em 1961, uma mulher australiana aborígene foi identificada como tendo sangue Rh-nulo, o que significa que ela não tinha os antígenos no sistema sanguíneo Rh, o que não fazia sentido para os cientistas da época. Desde então, apenas 43 pessoas com sangue Rh-nulo foram identificadas. O sangue Rh-nulo é chamado de “sangue dourado” por dois motivos. O mais importante é que sua completa falta de antígenos Rh significa que ele pode ser aceito por qualquer pessoa com um tipo de sangue raro dentro do sistema sanguíneo Rh. Ou seja, seu potencial para salvar vidas é tão grande que, apesar de amostras de sangue doadas a bancos de sangue serem anonimizadas, os cientistas muitas vezes tentam rastrear os doadores de sangue Rh-nulo para pedir diretamente que eles doem mais. No entanto, devido à sua escassez, o sangue dourado só é dado à pacientes nos casos mais extremos.

No entanto, seria um grande problema caso uma pessoa nascida com esse tipo sanguíneo incomum precisasse de uma transfusão de sangue, já que eles só poderiam receber sangue também Rh-nulo. Se essa pessoa recebesse o sangue de alguém que é “positivo” para um dos 61 antígenos Rh que eles não têm, seus próprios anticorpos poderiam reagir com as células do sangue do doador incompatível, provocando uma resposta do sistema imunológico potencialmente fatal.

Ou seja, é interessante pensar que uma pessoa portadora do sangue dourado tem o poder de salvar inúmeras vidas através de uma simples doação de sangue, mas ela também precisa conviver com o terrível pensamento de que, caso ela precise de uma transfusão de sangue algum dia, isso poderá se tornar um grande problema.

Interessante, não é mesmo? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Leia Também: