Curiosidades

Por que muitas pessoas têm medo de baratas?

Por que muitas pessoas têm medo de baratas?

Imagine que você está cuidando dos seus próprios assuntos, limpando o seu banheiro, quando um hóspede indesejável simplesmente surge do nada. Quando você observa a situação mais de perto, percebe que se trata de uma barata. Nesse tipo de situação, o que você faria? Mataria o inseto sem problemas? Pegaria o chinelo ainda meio hesitante? Ou simplesmente sairia correndo pela casa?

Pois bem, se você tem um certo “medo de baratas”, saiba que você não está sozinho. De fato, como as baratas são rápidas, escorregadias e prosperam nas áreas mais escuras e úmidas de nossas casas, não é lá muito surpreendente o fato de que muita gente apresente um certo receio com relação a esse inseto voador. Todos nós já ouvimos a frase “elas têm mais medo de você do que você delas”, mas isso nem sempre é suficiente para acabar com o horror que algumas pessoas experimentam ao ver baratas.

Para alguns, as baratas não são apenas insetos, mas um verdadeiro portal psicológico que abre espaço para uma lista gigantesca de experiências traumáticas. Alguns dizem que simplesmente ver a imagem de uma barata os torna catatônicos! Mas, afinal de contas, por que tanta gente teme essa criatura aparentemente inofensiva? Ao longo desse post, nós vamos explorar alguns tópicos que ajudam a explicar todo esse medo!

Um medo mais racional do que parece

Embora algumas pessoas considerem o medo de barata uma grande “besteira”, esse tipo de reação não é lá algo tão anormal se considerarmos o risco que o nosso cérebro interpreta que as baratas representam para a saúde humana. No entanto, a nossa aversão às baratas é, pelo menos em grande parte, um produto da criação humana e não apenas da nossa natureza biológica.

Para entender isso melhor, precisamos considerar que as crianças pequenas geralmente apresentam uma certa tendência de querer se aproximar e olhar atentamente para os insetos. O problema é que, quando crescemos, os insetos passam a ser vistos como criaturas inconvenientes ou indesejáveis na melhor das hipóteses. No pior dos casos, os insetos são considerados grandes portadores de doenças, o que faz com que a maioria das crianças aprenda rapidamente que qualquer inseto é algo ruim que deve ser exterminado.

No caso das baratas, a coisa fica ainda mais interessante, pois a nossa aversão a elas não é totalmente absurda. Existem cerca de 4.600 espécies de baratas em todo o mundo, sendo que algumas espécies podem carregar e espalhar alérgenos, incluindo aquelas que desencadeiam asma. As baratas também podem transportar bactérias causadoras de doenças, embora haja poucas evidências capazes de provar que grandes surtos de doenças possam ser desencadeados por baratas.

Uma questão de nojo

Além da questão envolvendo a proliferação de doenças através das baratas, muitos estudiosos acreditam que várias características dessas criaturas asquerosas são capazes de acionar os nossos “reflexos de repulsa”. Na prática, isso acontece porque medo e nojo são as duas emoções humanas negativas mais universais, de modo que todo ser humano sabe inconscientemente que uma delas serve como um sinal de perigo imediato e a outra  age como um alerta de uma potencial contaminação.

Se essas duas emoções formarem um diagrama de Venn, as baratas ficariam dentro da área de sobreposição. Em outras palavras, elas conseguem desencadear ambos os reflexos. Primeiramente, as baratas são relativamente oleosas, o que já é um sinal real de algo nojento. Além disso, se você pisar em uma delas, um barulho repugnante por si só é acompanhado por um cheiro de mictório sujo, até porque essas criaturas armazenam ácido úrico em seus corpos, que é um componente integrante da urina humana.

Também é importante destacar a rapidez e agilidade desses bichos. Embora muitos insetos alados sejam rápidos, as baratas são provavelmente as criaturas terrestres mais rápidas da Terra com relação ao seu peso. Para se ter uma ideia, um experimento registrou uma barata movendo-se a cerca de 5,6 quilômetros por hora. Em termos comparativos, isso é o equivalente a um ser humano adulto correndo a mais de 320 quilômetros por hora! Ou seja, as baratas nos assustam com a sua rapidez sobrenatural.

Adicione a tudo isso que foi apresentado a furtividade das baratas e o seu desejo de evitar a detecção (mesmo que uma vez ou outra elas prefiram invadir nossos espaços mais pessoais) e teremos uma criatura com uma longa lista de características que os seres humanos consideram totalmente desagradáveis.

Quando o medo e o nojo se transformam em catsaridafobia

Pouca gente sabe, mas o medo exagerado com relação às baratas tem um nome tão estranho quanto esses insetos: catsaridafobia. Na maioria dos casos, essa fobia decorre de uma experiência traumática relacionada a essas criaturas, como acordar com uma barata subindo pelo corpo adormecido ou ver um desses insetos andando tranquilamente sobre a sua escova de dentes.

Curiosamente, a natureza indutora dessa fobia também pode estar ligada ao comportamento traiçoeiro das baratas. Assim como muitos filmes de terror de grande sucesso, as baratas prosperam na escuridão e no silêncio, de modo que identificá-las inesperadamente é semelhante a tomar um susto com uma transição de cena de algum filme sobre um psicopata. Os movimentos bruscos e repentinos que elas exibem depois dos seus voos também tornam as coisas ainda mais assustadoras.

Existe alguma forma de superar o medo de baratas?

É importante destacar que os seres humanos não costumam apresentar tantos medos irracionais quanto parece. Certamente, algumas coisas são mais propensas a causar um certo medo, sendo que as baratas são uma delas porque compartilham todas as predisposições que despertam as nossas reações de nojo e pavor mais profundas.

Como qualquer fobia, sessões de terapia podem ser a melhor aposta para aqueles que sofrem de catsaridafobia. No entanto, para aqueles que não desejam procurar ajuda profissional, uma leitura mais aprofundada sobre o comportamento dessas criaturas pode ajudar a aliviar o medo exagerado que pode ter sido formulado ao longo dos anos. Na prática seria o mesmo que “tentar saber mais sobre o seu inimigo”.

Obviamente, saber tudo isso não fará com que a próxima barata que o pegar desprevenido morra instantaneamente, mas um pouco de conhecimento sobre os aspectos físicos e comportamentais desse inseto pode ajudar qualquer pessoa receosa a manter a calma enquanto pega o chinelo ou espera o exterminador aparecer.

E você, acha que as baratas são seres nojentos ou inofensivos? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Leia Também: