Dentro do Parque Nacional Shikotsu-terrToya, na ilha de Hokkaidō e não muito longe do vulcão ativo do monte Usu, existe um pico vulcânico de 400 metros de altura chamado Shōwa-shinzan. Shōwa-shinzan é na verdade a montanha mais jovem do Japão. Ela surgiu no dia 28 de dezembro de 1943 em um campo de trigo acompanhada de fortes tremores e lava quente. Quando o magma derretido atravessou a superfície, ele criou a elevação no campo e nos dois anos seguintes a cúpula de lava continuou a subir até atingir 398 metros de altura.

Shōwa-shinzan entrou em erupção quando o Japão estava lutando contra os Aliados na Segunda Guerra Mundial. A erupção de um vulcão em um momento em que o país inteiro estava em perigo foi considerado como um mau presságio pelas pessoas mais supersticiosas. As autoridades tentaram abafar o caso e pediram aos moradores que mantivessem o surgimento da nova montanha em segredo. Mas Masao Mimatsu, um chefe de uma agência postal que morava nas proximidades, começou a observar e registrar o progresso do vulcão.




Montanha Shōwa-shinzan.

Como todos os esforços tecnológicos do Japão estavam voltados para a guerra, materiais científicos básicos não estavam disponíveis e Mimatsu teve que improvisar. As anotações que ele fez e os esboços que ele desenhou do Showa-Shinzan são até hoje os únicos registros disponíveis que podem dar aos geólogos algum tipo de informação sobre a formação dessa montanha.

Memorial em homenagem a Masao Mimatsu.

Masao Mimatsu amarrou várias linhas de pesca horizontalmente através de duas vigas verticais. Ele passou a observar o crescimento do vulcão através dessas cordas (já que elas serviam como linhas-guia) e desenhou o perfil de Showa-Shinzan nos diferentes momentos em que a cúpula crescia. Quando ele apresentou seus registros e esboços para a Conferência Mundial de Vulcões em Oslo, no ano de 1948, seu trabalho foi elogiado por vulcanologistas profissionais. Seus trabalhos foram referidos como o “Diagrama Mimatsu” e ele recebeu várias premiações por conta disso.

Como Masao Mimatsu supostamente registrava a ação do vulcão.

Mimatsu também comprou posteriormente todo o terreno onde o vulcão estava ao usar todas as suas economias, pois ele tinha objetivo de estudar o vulcão mais a fundo. Alguns dizem que isso aconteceu quando o vulcão ainda estava crescendo, enquanto outros afirmam que ele comprou a terra depois que o vulcão parou de entrar em erupção. Seja lá qual for a afirmação correta, Mimatsu tornou-se proprietário da montanha e até hoje ela é considerada uma propriedade privada, apesar do governo japonês declarar que ela é um monumento natural do Japão. Curiosamente, existe uma estátua de bronze perto do Shōwa-shinzan que representa Masao Mimatsu olhando através de um equipamento topográfico.




Estátua em homenagem a Mimatsu.

Interessante, não é mesmo? Deixe o seu comentário!