Curiosidades

Por que não conseguimos nos lembrar de quando éramos bebês?

Praticamente ninguém consegue se lembrar dos acontecimentos do início de sua vida, mas isso não acontece porque não retemos informações quando somos bebês. Em vez disso, as evidências apontam para o fato de que, nessa idade, nossos cérebros ainda não funcionam de uma maneira que consiga agregar informações aos complexos padrões neurais que conhecemos como memórias. É claro que as crianças pequenas se lembram de fatos que acontecem “no momento”, como quem são seus pais, ou que se deve dizer “por favor” antes de pedir uma guloseima para a mãe. Isso é chamado de “memória semântica”.

No entanto, até um certo momento entre as idades de dois e quatro anos, as crianças não têm a chamada “memória episódica”, que é a memória que se baseia nos detalhes de um evento específico. Tais memórias são armazenadas em várias partes da superfície do cérebro, conhecida como “córtex”. Por exemplo, a memória responsável pelo armazenamento de sons é processada nos córtices auditivos (nas laterais do cérebro), enquanto a memória visual é gerenciada pelo córtex visual (localizado na parte traseira do cérebro). Uma região do cérebro chamada hipocampo é a que une todos os “pedaços” espalhados.

“Se você pensa no seu córtex como um canteiro de flores, existem flores por todo o topo de sua cabeça”, disse Patricia Bauer, da Universidade Emory, em Atlanta, EUA. “O hipocampo, muito bem colocado no meio do cérebro, é responsável por juntar todas as outras flores e amarrá-las em um buquê. A memória é o buquê, o padrão neural das ligações entre as partes do cérebro onde uma memória é armazenada”.

Então, por que os bebês geralmente não conseguem se lembrar episódios específicos até a faixa etária de dois a quatro anos? É bem provável que isso aconteça porque é exatamente nesse período que o hipocampo começa a juntar esses fragmentos de informações, formando toda uma conjuntura que consegue desempenhar todas as funções necessárias para o registro de memórias.

E no final das contas pode haver uma boa razão para isso. A memória episódica pode ser desnecessariamente complexa no momento em que os bebês estão apenas aprendendo como o mundo funciona, ou seja, não teriam motivos para “sobrecarregá-la” de tal forma. O objetivo principal dos dois primeiros anos é adquirir conhecimento semântico, sendo que desse ponto de vista, a memória episódica acabaria sendo uma distração inútil nessa fase da vida.

Interessante, não é mesmo? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Você também pode gostar de