Curiosidades

5 países que estão passando por crises bastante inusitadas

5 países que estão passando por crises bastante inusitadas

Não é preciso pesquisar muito para se deparar com vários países que estão atualmente passando por certas crises, muitas delas relacionadas às circunstâncias negativas que podem alterar a economia das nações em questão. Na maioria das vezes, as crises são geralmente causadas por desastres de grande escala, guerras, epidemias ou fome. No entanto, existem outras crises que são causadas por fatores tão incomuns que acabam nem sendo devidamente divulgadas nos principais noticiários.

Coisas aparentemente inofensivas, como uma baixa taxa de natalidade, escassez de abutres, ou simplesmente ter gado demais vagando por aí, podem ser muito mais terríveis do que parecem. Os exemplos a seguir retratam muito bem o fato de que, embora essas situações não pareçam tão perigosas, podem consequentemente levar à ocorrência de desastres bem maiores do que se imagina.

5. Estados Unidos e a crise de reciclagem dos plásticos

Pouca gente sabe, mas governo dos EUA não está conseguindo reciclar a maioria de seus plásticos recicláveis. Tanto é que, há alguns anos, uma grande quantidade de itens recicláveis usados nos EUA acabou chegando na China! Isso mudou em janeiro de 2018, quando a China proibiu a entrada de plásticos recicláveis provenientes dos EUA. Por causa disso, os americanos se voltaram para países como Canadá, Turquia, Malásia e Tailândia com o objetivo de que eles pudessem reciclar seus plásticos. O problema? Praticamente nenhum desses países quer aceitar os plásticos dos EUA.

A Malásia introduziu um imposto e até limitou os tipos de plásticos que são aceitáveis, enquanto que a Tailândia prometeu banir os plásticos dos EUA dentro de dois anos. O mais curioso é que, em resposta, vários estados dos EUA abandonaram a reciclagem de alguns tipos de plásticos ou simplesmente desistiram da reciclagem como um todo, o que consequentemente aumenta ainda mais a disponibilidade de lixo na natureza. Bizarro, não?

4. China e a crise de natalidade

Algumas décadas atrás, a China introduziu a “política do filho único” para controlar a expansão de sua população. A política foi rigorosamente aplicada, de modo que o governo até chegou a conduzir abortos forçados e esterilização obrigatória em pessoas que desrespeitavam a lei. Tudo mudou em 2015, quando o governo substituiu a política do filho único pela “política dos dois filhos”, quando percebeu que a nação estava passando por um declínio no crescimento da população, assim como a Coreia do Sul e o Japão. No entanto, nos dias atuais, parece que a maioria dos casais chineses prefere ter apenas um filho ou simplesmente nenhum, complicando a coisa toda para o governo da China.

Diferentemente do passado, o governo chinês agora quer que os pais tenham mais filhos para o próprio “bem do país”, já que a crise de natalidade afeta diretamente a economia nacional, principalmente em questões envolvendo o sistema previdenciário. O assunto é tão sério que o governo chinês está até considerando pagar para que os casais decidam ter um segundo filho. Além disso, o governo do país também está considerando isenções fiscais ou até mesmo abandonar a política de dois filhos para permitir que os casais tenham quantos filhos desejarem.

3. Índia e a crise da superpopulação de vacas

O estado indiano de Uttar Pradesh está passando por uma crise devido à superpovoação de vacas. Como você já deve saber, as vacas não são comidas na Índia, pois são consideradas criaturas sagradas. Algumas pessoas até se arriscam a comer esses animais, mas o governo do estado e grupos de proteção de gado vêm reprimindo cada vez mais essa prática. Isso deixou os agricultores com menos incentivos para manter bois que já são velhos e vacas que não produzem mais leite. Desse modo, muitos agricultores resolveram simplesmente abandonar esses animais improdutivos nas ruas, já que tê-los por perto custa muito dinheiro.

Em 2012, havia aproximadamente 1.009.436 bovinos abandonados apenas no estado de Uttar Pradesh, e espera-se que o censo deste ano apresente um número ainda maior! Toda essa grande quantidade de gado solto tornou-se um incômodo porque eles atacam fazendas e comem plantações, além de invadirem as áreas urbanas. Algumas vacas até acabam sendo capturadas e levadas para abrigos, mas esses locais rapidamente se tornam superlotados e subfinanciados. Atualmente, fazendeiros e membros de algumas comunidades usam antigos prédios do governo, como escolas e hospitais, para manter os animais presos e longe do contato humano.

2. Coreia do Sul e a crise dos suicídios

Talvez você não saiba, mas a Coreia do Sul tem uma das maiores taxas de suicídio do mundo. Para se ter uma ideia, cerca de 13.500 sul-coreanos se suicidaram apenas em 2015, o que dá uma média de 37 suicídios em um único dia! A maioria dos sul-coreanos que escolhem tirar suas próprias vidas são cidadãos idosos, que muitas vezes vivem na pobreza e não querem se tornar um “problema” para seus parentes vivos. Apesar da Coreia do Sul ser um país rico e desenvolvido, alguns sul-coreanos idosos são tão pobres que dependem de refeições gratuitas para sobreviver, o que ajuda a explicar os numerosos casos de depressão nessa faixa etária.

Em resposta às altas taxas de suicídio, o governo sul-coreano resolveu criminalizar os chamados “pactos de suicídio”, que basicamente são acordos entre duas ou mais pessoas que prometem se envolver em um suicídio em conjunto. Nos últimos anos, o governo também tem reduzido consideravelmente as taxas de suicídio com a simples proibição do “paraquat”, um pesticida que estava sendo largamente usado para cometer suicídio.

1. Índia e a crise de abutres

A Índia teve muitos abutres no passado. De fato, sua população de abutres era tão alta que ninguém nunca se incomodou em contar, embora uma estimativa sugerisse que havia aproximadamente 40 milhões no início dos anos 90. No entanto, isso mudou entre 1992 e 2007, um período no qual a população de abutres caiu drasticamente. Para se ter uma ideia, estima-se que a Índia tem apenas cerca de 20.000 abutres nos dias atuais! Curiosamente, ninguém notou o declínio da população de abutres até que pesquisadores perceberam que esses animais não estavam sendo vistos em grandes quantidades como antes.

Provavelmente você está pensando agora: “tá mas, por que isso é algo ruim?” Bem, lembra que eu citei anteriormente que os indianos geralmente não comem carne de gado? Pois bem, é aqui que os abutres entram em cena! Os fazendeiros indianos deixavam os abutres comerem as carcaças das vacas mortas que ficavam espalhadas por suas terras. O problema é que o diclofenaco, um popular analgésico usado no gado, é letal para os abutres. Por causa disso, não existem mais abutres suficientes para comer as carcaças de gado na Índia, deixando muitos animais mortos e em decomposição espalhados por todo o país, o que consequentemente deixou vários indianos à beira de uma epidemia de doenças. Ratos e cães até substituíram os abutres, mas eles não são tão eficazes, sem falar que esses animais podem transmitir as bactérias obtidas nas carcaças para os seres humanos.

Por conta disso, a Índia baniu o diclofenaco e introduziu programas de reprodução para repovoar a natureza com abutres. No entanto, provavelmente levará algum tempo antes da obtenção dos resultados pretendidos. O governo também pode sofrer um revés porque alguns donos de gado ainda usam o diclofenaco ilegalmente, complicando ainda mais a situação.

E você, já tinha ouvido falar em algumas das crises citadas? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Leia Também: