Curiosidades

7 pinturas valiosas que foram roubadas e permanecem desaparecidas até hoje

7 pinturas valiosas que foram roubadas e permanecem desaparecidas até hoje

Ao longo de toda a história, centenas de pinturas famosas acabaram desaparecendo por vários motivos, seja devido a guerras, roubos ou por outras razões incalculáveis. Muitas dessas pinturas eram tão clássicas e tão significativas que eram bastante almejadas por aqueles que admiravam o trabalho dos respectivos artistas. Enquanto algumas dessas obras valiam apenas alguns dólares, boa parte delas tinha um valor girando na cada dos milhões.

Pensando nisso, nós do TriCurioso resolvemos compilar uma lista com algumas das pinturas mais caras que foram roubadas e permanecem desaparecidas há anos. Estas pinturas são majestosas à sua maneira e pertencem a vários lugares e períodos diferentes da história. Confira!

7. Vista de Auvers-sur-Oise, de Paul Cézanne (US $ 3 milhões)

Esta obra-prima foi curiosamente roubada exatamente à meia-noite da virada do ano novo em janeiro de 2000. Ela foi roubada do museu da Universidade de Oxford e acredita-se que o roubo foi executado por alguém que sabia exatamente o que estava fazendo.

O ladrão em questão chegou a montar um andaime para alcançar uma claraboia no topo do museu e, em seguida, deslizou o seu corpo com o auxílio de uma corda para entrar no local. Ele ainda foi capaz de atear fogo no local e ativar uma chaminé para fazer com que aquilo parecesse um incêndio. Um verdadeiro gênio do mal, não é mesmo?

6. O Pato Branco, de Jean-Baptiste Oudry (US $ 8 milhões)

Esta pintura foi roubada em 1992 e acredita-se que o ladrão estava muito bem treinado na arte dos roubos bem-sucedidos dignos de Hollywood. Isso poque ele teve a grande ideia de usar fumaça para impedir que as câmeras capturassem alguma coisa suspeita enquanto ele cortava a pintura da tela e fazia sua grande fuga.

Os investigadores chegaram a reunir pistas que indicavam que a pintura poderia ter sido entregue às mãos de uma gangue cigana local como parte de um acordo clandestino para nunca mais ser vista. Por isso, só nos resta imaginar onde essa obra pode ter parado e esperamos que, um dia, esse pedaço da história possa ser devidamente recuperado para ser novamente exposto em um museu.

5. Natividade com São Francisco e São Lourenço, de Caravaggio (US $ 20 milhões)

Esta pintura foi roubada no ano de 1969 do Conservatório de San Lorenzo, na Itália. Esta obra ainda está sendo procurada pelo FBI e ainda não foi recuperada. Anteriormente, suspeitava-se que a máfia italiana estivesse por trás do seu roubo, já que seus membros apresentavam algumas histórias duvidosas sobre o seu destino. No entanto, a polícia recusou-se a acreditar nessa tese.

Por outro lado, há uma afirmação mais recente que sugere que a pintura pode ter sido cortada em pedaços, mas os investigadores ainda estão descrentes quanto a essa teoria devido a outras evidências do caso. Por causa de todos esses fatores, só podemos esperar que este pedaço da história possa ser devidamente recuperado algum dia.

4. O Pombo e as Ervilhas, de Pablo Picasso (US $ 28 milhões)

Esta pintura foi roubada de um museu de arte em Paris em 2010, depois que um único intruso surpreendentemente conseguiu desativar todo o sistema de segurança. O homem mascarado também roubou outras quatro peças de arte, mas esta é sem dúvidas a mais memorável de todas.

O ladrão conseguiu roubar as pinturas em um espaço de tempo de apenas quinze minutos, embora houvesse seguranças de plantão naquela noite. Por causa desses fatores, tem havido especulações por parte dos investigadores de que o ladrão não trabalhava sozinho, independentemente do que as câmeras de segurança mostraram. No entanto, nenhuma evidência crucial foi encontrada para desvendar o caso até agora.

3. Flores de Papoula, de Vincent van Gogh (US $ 50 milhões)

Esta pintura está desaparecida desde 2010, mas o que mais chama a atenção em sua história é o fato de que ela surpreendentemente já foi roubada e devolvida uma vez antes. Em ambas as duas ocorrências, essa obra foi levada do Museu Mohammed Mahmoud Khalil, na cidadede Gizé, no Egito.

Vale destacar que ambos os roubos, especialmente o segundo, foram atribuídos à falta de segurança no local. Na época do segundo crime, o museu recebia apenas uma média de dez visitantes por dia, e ainda assim o ladrão que ainda está foragido conseguiu levar a pintura para nunca mais ser recuperada. Isso leva muitos investigadores a questionarem por que o roubo dessa pintura foi tão “fácil”, considerando o seu valor histórico e o número considerável de pessoas que anseiam por vendê-la no mercado negro.

2. Tempestade no Mar da Galileia, de Rembrandt (US $ 100 milhões)

Esta famosa pintura do artista holandês Rembrandt foi roubada em 1990 de um museu de arte em Boston, no estado americano de Massachusetts. Dois homens se passaram por policiais e amarraram os verdadeiros seguranças dentro do museu enquanto roubavam a obra de arte. Durante o roubo, os ladrões também acabaram levando outras doze obras-primas junto com esta.

Essa obra foi originalmente pintada em 1633 e, embora o FBI tenha procurado incansavelmente por ela há muitos anos, os investigadores ainda não tiveram a menor chance de encontrá-la. Vale destacar que “Tempestade no Mar da Galileia” foi a única paisagem marítima a ser pintada por Rembrandt e tudo indica que ela deverá ficar desaparecida para sempre.

1. O Concerto, de Johannes Vermeer (US $ 200 milhões)

Esta é a pintura mais cara da nossa lista. A obra “O Concerto” desapareceu depois de ter sido roubada através de um grande assalto à arte que deixou o mundo artístico sedento por vingança. Esta obra foi pintada em algum momento da década de 1660, mais precisamente durante a metade da carreira artística do holandês Johannes Vermeer.

Vale destacar que Vermeer morreu relativamente jovem, aos 43 anos, o que faz com que seus trabalhos sejam menos abundantes do que outros artistas de sua época, ao mesmo tempo em que apresentam preços incrivelmente altos. Segundo especialistas, a profundidade dessa imagem é o que atrai as pessoas e faz com que elas “sintam emoções distintas”, o que é outra razão pela qual a comunidade artística espera ver o seu retorno o mais rápido possível.

Pinturas realmente valiosas, não é mesmo? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Leia Também: