Curiosidades

Por que às vezes ficamos tristes sem motivo?

Por que às vezes ficamos tristes sem motivo?

Você já passou pela estranha experiência de ficar triste por horas sem qualquer motivação aparente? Já se sentiu deprimido ao ponto de não ter interesse em fazer alguma coisa? Pois bem, se a sua resposta é sim para ambas as perguntas, saiba que você definitivamente não está sozinho!

De fato, esse sentimento é algo relativamente comum. No entanto, na maioria das vezes que nos sentimos tristes, geralmente não fazemos nada a respeito, muito por conta do fato de não sabermos o que acontece com o nosso ser interior nesse tipo de situação.

Mas afinal, por que isso acontece? Existe alguma forma de evitar esse tipo de coisa?

Difícil de explicar até em palavras

Antes de tudo, precisamos entender que não há uma palavra amplamente aceita pela comunidade científica que descreva eficazmente o sentimento de “tristeza sem motivo”, embora isso seja visto por inúmeras pessoas, independentemente de questões como faixa etária, nacionalidade ou sexo. No entanto, existe um termo que algumas pessoas usam para tentar explicar esse sentimento chamado “hipofrenia”.

Essa palavra é geralmente definida como um “sentimento vago de tristeza sem qualquer motivo”. Mas o problema é que a definição médico-científica de hipofrenia significa algo como “mentalmente retardado”, que tem uma conotação cultural negativa e que não está diretamente relacionada aos sintomas descritos no caso da tristeza em si. Então, assim como ainda não há razão totalmente definida para essa tristeza, também não há termo fixo para ela.

Memórias ruins podem ser a explicação

Embora não exista comprovação, alguns psicólogos e neurocientistas acreditam que essa tristeza incomum pode estar relacionada de algum modo ao fato de que não percebemos que carregamos o fardo de inúmeras experiências passadas em nosso subconsciente, muitas das quais podem ser desencadeadas a qualquer momento, fazendo com que fiquemos tristes.

De fato, o cérebro humano pode armazenar uma enorme quantidade de informações e memória, de modo que não podemos saber quando alguma estimulação auditiva ou visual desencadeará essas “lembranças desagradáveis”. No momento do tal desencadeamento de informações, não costumamos ficar cientes da memória que nosso cérebro está processando, mas mesmo assim podemos sentir o “peso da tristeza”.

Esse sentimento de tristeza pode ser algo tão poderoso que pode facilmente distrair-nos das atividades que fazemos em determinado momento. Desse modo, podemos ficar, além de tristes, mais preguiçosos e estressados, já que não saber de onde esta tristeza está vindo pode ser extremamente desgastante.

Certos tipos de experiências negativas podem influenciar

Vale destacar que muitos tipos de experiências podem influenciar para o surgimento da tal hipofrenia. Geralmente, esse sentimento é sentido mais facilmente quando carregamos a culpa sobre alguma coisa. Por exemplo, quando você sabe que fez algo terrível e não pode voltar ao passado para mudar o que aconteceu, pode haver um acerta decepção capaz de deixá-lo com raiva de si mesmo.

Todas essas coisas fazem com que você se culpe por cada aspecto doloroso de sua vida e crie memórias ruins, que podem ser resgatadas posteriormente através de algum gatilho forte o suficiente para desencadear tais lembranças. A tristeza também pode ser uma questão de percepção. Nesse caso, a percepção se refere ao quanto você deixa a situação afetá-lo, ou seja, se você é capaz de dominar suas emoções ou se você acaba sendo controlado pela situação e pelos seus sentimentos.

Alguns especialistas também apontam que muitos fatores sociais também podem contribuir para isso, já que a tristeza também é afetada pelas pessoas com as quais você se cerca. Por exemplo, quando você passa muito tempo com pessoas mais “tóxicas” e “pessimistas”, existe uma chance bem maior de atrair toda essa negatividade para si mesmo.

Fatores genéticos e hormonais também podem ser os culpados

É importante deixar claro que a tristeza também pode ser causada por várias alterações hormonais, especialmente no caso das mulheres, quando elas passam pelo ciclo menstrual ou pela menopausa. Isso provoca mudanças em seu humor, muitas vezes fazendo provocando um sentimento de tristeza incomum. Os homens muitas vezes também sentem tristezas recorrentes por outros motivos, mas as pessoas do sexo masculino são notoriamente famosas por tentarem controlar esses sentimentos por uma questão cultural de “manter a masculinidade”. É por isso que muitos homens mascaram suas emoções e guardam tudo para si, o que pode se tornar um grande problema mais tarde.

Curiosamente, a idade também pode desempenhar um outro fator determinante por trás da tristeza espontânea. Por exemplo, na adolescência e na velhice, esse quadro de instabilidade emocional pode ser percebido mais facilmente, mas ao mesmo tempo pode ser muito imprevisível. Por causa disso, algumas pessoas nessas fases podem precisar de muito apoio, cuidado e companhia. Caso a pessoa em questão não obtenha tais cuidados, as experiências ruins armazenadas no seu cérebro podem virar uma espécie de “bola de neve”, crescendo cada vez mais com o passar do tempo.

Outros fatores incluem baixos níveis de dopamina e serotonina, neurotransmissores responsáveis pela sensação de prazer e bem-estar. Além disso, vale mencionar que os efeitos colaterais de certos medicamentos ou drogas, consumo no caso do consumo excessivo de álcool ou de medicamentos tranquilizantes, também podem influenciar nos quadros de tristeza espontânea com a mesma facilidade.

Ou seja…

Depois de identificarmos as várias razões por trás da tristeza espontânea, podemos concluir que, apesar de aparentemente nos sentirmos tristes por nenhuma razão, normalmente sempre há uma memória ou experiência que desencadeia esse tipo de sentimento. Por isso, uma boa maneira de lidar com isso pode ser conversar com um profissional ou simplesmente procurar fazer algo agradável para descarregar toda essa tensão emocional de uma vez por todas.

Vale destacar que é exatamente por isso que muitos psicólogos pedem aos seus pacientes para que eles não deixem que suas inseguranças os controlem. Tentar esquecer tal problema ou buscar fazer algo diferente pode fazer com que o cérebro “esqueça o passado” por um tempo, consequentemente fazendo com que a “tristeza sem motivo” finalmente encontre um fim.

Lembre-se que o que pode ser mudado é o futuro, que dependerá de como você conduz sua vida. Tentar fazer o seu melhor para ser positivo e cercar-se de pessoas que são agradáveis para a sua saúde mental pode ser um passo essencial para a felicidade, além de fazer com que você aprenda a se aceitar do jeito que você é.

Interessante, não é mesmo? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Leia Também: