Curiosidades, Entretenimento

7 consoles de videogame promissores que acabaram se tornando grandes fracassos

7 consoles de videogame promissores que acabaram se tornando grandes fracassos

Com o passar dos anos, os consoles de videogame se transformaram em dispositivos sofisticados que fazem muito mais coisas do que simplesmente promover uma boa jogatina. Sendo assim, os consumidores meio que já conseguem adivinhar quando um console será um sucesso e, por isso, tendem a comprar consoles com as melhores especificações. No entanto, ao longo da história dos games, também existiram alguns consoles que não tiveram êxito em relação às vendas, mesmo apresentando certas inovações.

Apesar de suas características exclusivas, os consoles que você vai ver ao longo desse post estiveram fadados ao fracasso desde o início. Até mesmo o marketing pesado nas suas promoções provou ser ineficaz. Incluindo um console dos anos 90 com recursos online, um console de realidade virtual e um que também é um telefone celular, chegou a hora de conferir sete consoles de videogame que fracassaram miseravelmente.

7. Virtual Boy

O Virtual Boy foi a primeira investida da Nintendo no mundo 3D. Curiosamente, esse troço até poderia ter sido bem-sucedido, se não fosse por conta das deficiências no seu planejamento estratégico. Uma das suas falhas mais notáveis tinha a ver com a baixa quantidade de jogos que apresentavam os personagens icônicos da Nintendo. Sem os personagens amáveis da empresa, como Mario e Yoshi, as pessoas ficaram desinteressadas em comprar um Virtual Boy. Além disso, por apresentar um preço de US $ 175,95, ele era muito caro para boa parte do público.

O barulho do Virtual Boy também foi uma das razões pelas quais ele falhou miseravelmente. Curiosamente, os jogos desse console ainda são jogáveis através de um emulador em dispositivos de realidade virtual. Sendo assim, os jogadores podem jogar os jogos do Virtual Boy nos dias de hoje sem problemas.

6. 64 DD

Antes de tudo, não confunda o Nintendo 64 com o Nintendo 64 DD! O tal 64 DD foi lançado como um periférico que transformava o Nintendo 64 em um console de unidade de disco. Algumas ótimas ideias até surgiram no 64DD, mas no final das contas, ele foi um fracasso catastrófico.

Para se ter uma ideia, o 64DD já permitia aos seus usuários jogar online, o que era praticamente inédito na época. Esse periférico ousado e ambicioso poderia ter sido um sucesso comercial, mas estava muito à frente de seu tempo e suas ideias não compactuavam com as necessidades e com a capacidade a tecnológica da época. Além disso, seu serviço online fazia parte de um serviço de assinatura que a maioria dos jogadores relutava em pagar.

5. N-Gage

Olhando para trás, é fácil ver por que a Nokia deu sinal verde ao projeto de se aventurar com o N-Gage em um mercado de consoles de videogame já saturado. Esse dispositivo é comparável a um smartphone por seu recurso de chamada de voz, mas também contava com a capacidade de rodar jogos da geração. Sendo assim, não há dúvidas de que o N-Gage poderia ser um dispositivo revolucionário à frente de seu tempo.

No entanto, o N-Gage acabou se tornando um grande fracasso comercialmente. O seu alto preço e a iminente popularização dos smartphones em todo o mundo, já indicavam o que o Nokia N-Gage estaria destinado a falhar miseravelmente nas suas propostas.

4. Ouya

O Ouya é um dos consoles mais recentes desta lista. Lançado em 2013, ele foi desenvolvido como um console de código aberto tendo o Android como sistema operacional, o que parecia ser algo muito promissor. No entanto, o Ouya foi cancelado pouco tempo depois do seu lançamento por vários motivos. Uma das razões mais significativas é que ele tinha poucos jogos disponíveis. Sem jogos excelentes para manter os jogadores envolvidos em um mercado tão competitivo como o de videogames, o Ouya já nasceu destinado ao fracasso.

Além disso, com um controle volumoso e de formato desajeitado, ele não conseguiu atrair o número de jogadores esperado. Sendo assim, com concorrentes ferozes como o Xbox 360 e o PlayStation 3, não havia lugar para o Ouya no mercado.

3. Philips CD-i

A capacidade de fazer um monte de coisas diferentes, como navegar na Internet graças a um modem que as pessoas poderiam comprar por um custo adicional, colocava o CD-i como um console extremamente promissor. No entanto, pode ter sido um erro por parte da Philips tentar comercializar o sistema como um dispositivo de entretenimento e não como um console de videogame, pois suas vendas foram muito fracas.

Alguns dos seus jogos até tinham personagens da Nintendo, como Mario e Zelda, mas nem isso foi capaz de alavancar as suas vendas. De fato, um jogo intitulado Hotel Mario poderia ter sido um sucesso se o console não falhasse miseravelmente.

2. Nintendo Wii U

Um console com jogos como Super Mario 3D World, Mario Kart 8, The Legend of Zelda: The Wind Waker HD e The Legend of Zelda: Breath of the Wild não deveria ser um fracasso, não é mesmo? No entanto, dadas as suas baixas vendas em comparação com seu antecessor (Nintendo Wii), o Nintendo Wii U pode realmente ser considerado um fracasso total.

Para início de conversa, ele foi lançado com um controle volumoso que não era atraente para os consumidores. Além disso, seu desempenho era bem ordinário se comparado à concorrência. Com 13,5 milhões de unidades vendidas, ele nem chegou perto de alcançar as mais de 100 milhões de unidades vendidas do Nintendo Wii. No fim das contas, esse console falhou em se diferenciar e em ser um console de videogame relevante que fizesse jus à marca Nintendo.

1. Sega Saturn

Quando o Sega Saturn foi lançado, ele era um console altamente aguardado, tanto é que estava cotado para competir frente a frente com o PlayStation da Sony. O Saturn foi lançado em 22 de novembro de 1994 e era um console de videogame de 32 bits que sucedia o Sega Genesis. Dada a popularidade explosiva do Sega Genesis, os fãs tinham grandes expectativas com esse console, mas a combinação de várias decisões erradas com os problemas internos da Sega, acabou transformando o Saturn em um enorme fracasso.

O PlayStation, lançado na mesma época, custava US$ 100 mais barato que o Saturn, o que já complicava a vida do console da Sega. Outro problema era a sua arquitetura complexa, que dificultava o desenvolvimento de jogos para a plataforma, o que consequentemente fez a Sega perder desenvolvedores para o PlayStation. Sendo assim, o Saturn ficou com uma biblioteca muito pequena para o seu valor.

Como se isso não fosse bastante, a Sega dos EUA acusava a Sega do Japão de tomar decisões errôneas e ignorar propostas de acordos com empresas como a Silicon Graphics e com a própria Sony, o que poderia ter salvado o console de alguma forma.

E você, já tinha ouvido falar nesses consoles? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Leia Também: