Curiosidades

As 6 galáxias mais estranhas do universo

As 6 galáxias mais estranhas do universo

O universo contém cerca de 2 trilhões de galáxias. Com esse número tão grande, já podemos deduzir que existem algumas bem esquisitas nesse meio, não é mesmo? De fato, além da nossa Via Láctea, existem galáxias com forma de água-viva, galáxias que parecem não ter a matéria escura que permeia o resto do universo e até mesmo galáxias que consomem outras galáxias!

Com isso em mente, listamos aqui algumas das galáxias mais estranhas que existem por aí. Você vai ver que o universo pode ser muito mais intrigante do que já parece. Confira!

6. A galáxia com um olhar misterioso

Você já se sentiu como se estivesse sendo vigiado? Pois bem, o disco da galáxia espiral IC 2163 parece espiar o espaço com olhos enormes. Curiosamente, essa forma de olho é na verdade um enorme fluxo de estrelas e poeira, produzido quando a IC 2163 (à direita na imagem) se escorou contra uma outra galáxia espiral, a NGC 2207 (à esquerda).

O mais interessante é que esses “detalhes oculares” costumam durar apenas algumas dezenas de milhões de anos, segundo o astrônomo Michele Kaufman, que relatou a descoberta em 2016. Isso é um piscar de olhos (desculpa pelo trocadilho) no tempo de vida de uma galáxia. Ou seja, descobrir algo assim é uma oportunidade única.

5. A galáxia com dois corações

Muitas das galáxias costumam ser ancoradas por um buraco negro supermassivo no centro. Algumas outas, no entanto, contêm não um, mas dois buracos negros! Um bom exemplo disso é a NGC 7674, uma galáxia espiral cujo centro possui um par de buracos negros.

Essa galáxia em particular, (distante cerca de 400 milhões anos-luz da Terra) provavelmente coletou o buraco negro sobressalente durante uma colisão e fundiu-se com uma outra galáxia. A única outra galáxia conhecida a ter dois buracos negros no seu centro é uma galáxia supermassiva chamada 0402+379.

4. A galáxia que parece uma água-viva

Localizada na constelação Triangulum Australe, a galáxia ESO 137-001 compartilha uma incrível semelhança com uma água-viva, como se estivesse nadando em meio a um mar de estrelas. A ESO 137-001 é uma galáxia espiral barrada, ou seja, as suas estrelas tomam uma forma espiral com um centro em forma de barra. É exatamente por isso que as correntes de estrelas ao seu redor parecem flutuar como os tentáculos de água-viva.

Segundo a NASA, essas estrelas estão se formando dentro de uma cauda de poeira e gás (invisível a olho nu) que sai da ESO 137-001. Esse processo de formação ainda está envolto de mistérios, pois os gases na cauda deveriam estar muito quentes para permitir a formação de estrelas.

3. A galáxia que parecia não ter matéria escura

Em 2018, o Telescópio Espacial Hubble se deparou com algo nunca visto antes: uma galáxia que aparentava não ter matéria escura. Essa descoberta imediatamente levantou muitas dúvidas. Para se ter uma ideia, a matéria escura é uma forma misteriosa de matéria que interage com a gravidade, mas não com a luz. Ela compõe boa parte da matéria total do universo (bem mais do que a matéria que podemos ver), portanto, encontrar uma galáxia praticamente sem isso foi uma descoberta muito bizarra, para dizer o mínimo.

Um ano depois, investigadores científicos resolveram o mistério: a galáxia em questão, a NGC 1052-DF2, não estava a 65 milhões de anos-luz de distância, como originalmente se acreditava. Na verdade, ela estava a 42 milhões de anos-luz de distância, segundo relatos de pesquisadores em um estudo divulgado na revista Monthly Notices da Royal Astronomical Society. Foi essa mudança na distância o que alterou completamente os cálculos da massa da galáxia. Assim, podemos dizer que o universo faz sentido novamente (ou quase isso).

2. A galáxia morta

A enorme galáxia MACS 2129-1 possui uma forma de disco e gira duas vezes mais rápido que a Via Láctea, mas chama a atenção por não ser tão “ativa”. De fato, as observações do Hubble com relação a essa galáxia distante revelam que ela não produz estrelas há cerca de 10 bilhões de anos. É exatamente por conta disso que a MACS 2129-1 é popularmente conhecida como “galáxia morta”, pois as estrelas não se formam mais lá.

A descoberta dessa galáxia foi importante porque os cientistas acreditavam que galáxias desse tipo haviam se formado com a fusão de galáxias menores ao longo do tempo, mas as estrelas do MACS 2129-1 não se formaram a partir desse tipo de fusão explosiva. Na verdade, elas se formaram no próprio disco da galáxia original.

As descobertas, publicadas na revista Nature em 2017, sugerem que as galáxias mortas, de alguma forma, conseguem reorganizar internamente sua estrutura à medida que envelhecem, em vez de mudar de forma, pois se combinam com outras galáxias.

1. A galáxia canibal

Como se as galáxias mortas já não fossem assustadoras o suficiente, existem também algumas galáxias que são, digamos, “canibais”. A galáxia de Andrômeda, a mais próxima da Via Láctea, devora galáxias menores há pelo menos 10 bilhões de anos, segundo uma pesquisa realizada no ano de 2019. De fato, em aproximadamente 4,5 bilhões de anos, a galáxia de Andrômeda e a Via Láctea se colidirão, embora ainda não esteja claro quem irá devorar quem nesse amontoado cósmico.

A “boa notícia” é que nós, terráqueos, não estaremos por perto para ver esse confronto, até porque o nosso próprio sol provavelmente tornará a vida na Terra impossível entre 1 e 5 bilhões de anos a partir de agora. Por isso, aproveite para fazer tudo o que você quiser na vida enquanto há tempo!

A astronomia é uma área de estudo muito interessante, não é mesmo? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Leia Também: