Curiosidades, História, Mistérios

O mistério do ‘fogo grego’, a arma incendiária mais enigmática da história

O mistério do ‘fogo grego’, a arma incendiária mais enigmática da história

Muitas armas antigas relativamente sofisticadas desempenharam um papel fundamental nas guerras dos tempos passados, mas poucas delas conseguem chamar tanta atenção como a que ficou conhecida como “fogo grego”. O tal fogo grego era uma arma incendiária devastadora usada pelo Império Bizantino para se defender dos ataques de seus inimigos.

Sites Responsivos e Profissionais

De fato, os bizantinos o usaram com sucesso para repelir a invasão árabe por centenas de anos, principalmente no mar. Embora não seja a primeira arma incendiária da história, ela foi sem dúvidas a mais significativa historicamente.

No entanto, o que é realmente fascinante no fogo grego é que os exércitos que capturaram a arma nunca conseguiram replicá-la. De fato, até os dias de hoje, ninguém sabe exatamente quais ingredientes eram usados na mistura líquida que promovia uma combustão assustadora, dando origem a um dos mistérios mais antigos do mundo.

Uma poderosa arma antiga

O fogo grego era uma arma incendiária mais icônica a ser criada pelo Império Bizantino, a metade oriental de língua grega sobrevivente do Império Romano, cuja capital era a cidade de Constantinopla (atual Istambul). Também chamado de “fogo do mar” e “fogo líquido” pelos próprios bizantinos, sabe-se que as chamas eram provenientes de um líquido que era aquecido, pressurizado e depois liberado através de um tubo chamado siphōn.

O fogo grego era usado principalmente para incendiar navios inimigos a uma distância bastante segura. No entanto, o que tornava o fogo grego tão único e potente era a sua curiosa capacidade de continuar queimando na água, o que impedia que os combatentes inimigos tentassem apagar as chamas durante as batalhas navais. De fato, alguns relatos históricos dão conta de que até era possível usar essa arma em contato direto com a água.

Para piorar a situação dos inimigos, o fogo grego era uma mistura líquida que grudava em praticamente tudo o que tocava, seja no casco de um navio ou até mesmo na pele humana. De fato, o fogo grego só era extinguível com três coisas: areia, vinagre e urina.

A invenção do fogo grego

Embora não se tenha muitas informações concretas, acredita-se que o fogo grego tenha sido inventado no século VII por Calínico de Heliópolis, um arquiteto judeu que fugiu da Síria para Constantinopla após um ataque árabe à sua cidade natal. De fato, Calínico inventou não apenas o líquido em si, mas também a complexa engenhoca que projetava fogo grego nos navios inimigos, que incluía um tubo longo e presumivelmente um design semelhante a um forno para produzir a pressão e o calor necessários.

Esses complexos dispositivos eram presos às proas dos navios bizantinos especialmente projetados. Quando usado, o líquido pressurizado disparava, acendendo jatos de fogo que corriam sobre a água. O fogo grego não era apenas incrivelmente eficaz, mas também intimidador, pois supostamente produzia um barulho estridente e grandes quantidades de fumaça, muito parecido com o sopro de um dragão. Por causa de seu poder devastador, a fórmula para criar o fogo grego era um segredo de estado muito bem guardado.

De fato, a fórmula era conhecida apenas pelos imperadores bizantinos e pela família de Calínico, que a transmitia de geração em geração. Curiosamente, o fogo grego era eficaz até mesmo quando o inimigo conseguia colocar as mãos na arma, pois eles não tinham ideia de como fazer a engenharia reversa da tecnologia por si mesmos. No entanto, esta também é a razão pela qual o segredo de fazer o fogo grego foi perdido junto com o Império Bizantino.

O curioso lança-chamas grego

Caneca para Presente

Embora o fogo grego permaneça mais conhecido por seu uso no mar, os bizantinos o usavam de muitas outras maneiras, muitas das quais eram realmente criativas. A forma de utilização mais icônica foi introduzida pelo imperador bizantino Leão VI, que supostamente usou uma versão manual, o “cheirosiphōn”, que era basicamente uma versão antiga de um lança-chamas.

Essa arma foi usada em cercos (tanto defensivos quanto ofensivos) para queimar torres de defesa e defensores inimigos. Alguns autores contemporâneos também citaram que ela era usada em terra para perturbar os exércitos inimigos. Além disso, os bizantinos enchiam frascos com o líquido inflamável do fogo grego para funcionar de maneira semelhante às granadas, disparando-os contra o inimigo para retardar seu avanço.

A principal razão para a invenção do fogo grego por Calínico era simples: impedir que sua nova terra natal caísse nas mãos dos árabes. De fato, o fogo grego continuou sendo usado pelos bizantinos por centenas de anos, não apenas em conflitos contra forasteiros, mas também durante guerras civis. Nesse sentido, ele desempenhou um papel muito significativo na sobrevivência continuada do Império Bizantino contra inúmeros inimigos.

Alguns historiadores chegaram a argumentar que, no sentido de manter o Império Bizantino defendido por séculos, o fogo grego foi fundamental para salvar toda a civilização ocidental de uma invasão árabe muçulmana.

As tentativas fracassadas de recriar a fórmula

Ao longo dos séculos, muitas pessoas tentaram recriar a fórmula do fogo grego, mas sem sucesso. Por exemplo, existem até registros históricos dos próprios árabes usando sua versão do fogo grego em meados do século XIII. Curiosamente, para muitas dessas pessoas que experimentavam seu terrível poder, o nome mais comum era “fogo romano“, já que os bizantinos eram uma continuação do Império Romano.

No entanto, nenhuma dessas imitações chegou a se comparar ao fogo grego autêntico. Até hoje, ninguém sabe exatamente o que era necessário para fazer essa arma poderosa. Embora petróleo, cal, enxofre, nitrogênio e algum tipo de resina tenham sido propostos como ingredientes usados no fogo grego, ninguém sabe exatamente qual era a verdadeira fórmula original.

O mistério do fogo grego continua cativando historiadores e cientistas que passaram a tentar descobrir seu conteúdo. De fato, esse é um mistério tão fascinante que o escritor George R.R. Martin provavelmente o usou como inspiração para a criação dos incêndios descritos nos livros e programas de TV da franquia ‘Game of Thrones’.

Mas, independentemente de como ele era feito, o que podemos ter certeza é que o fogo grego foi uma das invenções militares mais influentes e intrigantes da história da humanidade.

Uma arma repleta de mistérios, não é mesmo? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Você também pode gostar de