Entretenimento, Netflix

7 lições que aprendemos com a temporada final de BoJack Horseman

7 lições que aprendemos com a temporada final de BoJack Horseman

BoJack Horseman consegue figurar facilmente entre as melhores séries de animação já criadas. De fato, desde a sua primeira temporada, a série conseguiu entreter muitos fãs com os seu enredos muito bem elaborados. A abordagem da animação com relação a temas como relacionamentos, saúde mental, vida e vários outros tópicos de impacto são muito bem desenvolvidos ao longo da trama.

Para se ter uma ideia, Bojack Horseman foi eleita como “a melhor animação do século 21” pela BBC e “a mais importante série de animação desde Os Simpsons” pela revista Times. Os níveis de inteligência e produção aplicados ao show também são características invejáveis, culminando na temporada final que despedaçou o coração do público em pedaços minúsculos com algumas das mais belas lições existenciais para superar crises.

Pensando nisso, listamos aqui algumas lições que aprendemos com a temporada final de BoJack Horseman. Você vai ver que essa é uma das poucas séries de animação conseguem abordar temas tão profundos como depressão, trauma, vício, comportamento autodestrutivo, racismo, sexismo e a própria condição da complexidade humana.

7. Pessoas importantes podem entrar na sua vida, mas nem sempre elas precisam permanecer

Ao longo da história de BoJack, ele encontra pessoas que gostaria que permanecessem em sua vida, mas isso nunca acontece, o que aumenta o desejo de BoJack por uma maior estabilidade na sua vida. Sem surpresas, BoJack falha em manter relacionamentos saudáveis, sejam eles românticos, familiares, com colegas de trabalho ou com amigos em geral.

Na temporada final de BoJack Horseman, isso pode ser facilmente percebido com Diane Nguyen. Diane foi responsável pela recapacitação de BoJack para lidar com os holofotes e com público, sem falar que BoJack também foi uma influência importante na vida de Diane. Como revelaram os escritores do programa, a despedida de Diane foi especialmente desenvolvida para mostrar que pessoas importantes podem ir e vir em nossas vidas.

6. As pessoas podem mudar tanto para melhor quanto para pior

De certo modo, as pessoas são um produto de suas decisões ao longo da vida. Na série, BoJack constantemente falha, especialmente durante as primeiras temporadas do programa. Ocasionalmente, há certos vislumbres de boas e até nobres escolhas, mas ele sempre as prejudica com más predileções e sempre espera receber perdão por causa de suas boas ações anteriores.

A boa notícia é que BoJack percebeu isso e começou a fazer uma mudança positiva para melhorar a sua imagem de uma forma genuína, não apenas para ser aceito pelos outros, mas por si mesmo. Os episódios finais da série lançam essa ideia de aceitação de uma forma magistral, mostrando que BoJack pode sempre tentar ser uma pessoa melhor, caso tenha disposição para isso.

5. As amizades mudam e isso nem sempre é algo ruim

O relacionamento de Todd e BoJack desmoronou relativamente cedo na série, mas lentamente se recompôs de uma forma interessante. O sinal mais notável dessa mudança foi quando Todd se recusou a deixar BoJack entrar em sua casa para uma festa, pois temia que ele pudesse começar a causar problemas.

A versão inicial de Todd provavelmente deixaria BoJack entrar com indiferença, mas o amadurecido Todd reconhece que as falhas de seu amigo podem afetá-lo. Eventualmente, Todd acaba sendo um cara legal e aceita a companhia de BoJack, ainda que com algumas regras básicas.

4. Você nunca realmente para de amar alguém

A Princesa Caroline namorou BoJack há muitos anos, mas esse relacionamento simplesmente nunca teve motivos para funcionar devidamente. De fato, quando a Princesa Caroline diz a BoJack em seu casamento com Judah que ela sempre amará BoJack, ela quer dizer em termos de cuidar dele, não algo relacionado a uma paixão.

Eles compartilharam muitas experiências juntos como um casal e esses momentos podem ser apreciados. O amor que foi sentido nesses momentos sempre existiu e será lembrado mesmo com o passar do tempo, mas de uma forma mais carinhosa.

3. Comportamento tóxico deve ser evitado a qualquer custo

A Princesa Caroline é uma das melhores personagens da série, no entanto, o seu calcanhar de Aquiles sempre foi seu complexo de heroísmo, o que embora seja admirável, sempre é problemático. Na temporada final, a princesa Caroline consegue evitar que a imagem de Bojack seja manchada ao marcar uma boa entrevista para ele, mas contra a vontade dela, BoJack quase imediatamente falha miseravelmente.

Finalmente, a Princesa Caroline reconhece a inutilidade de tentar cobrir alguém tão tóxico quanto o BoJack. Assim, em sua cena final com BoJack, ela decide seguir adiante e deixar de ser um agente para outra pessoa, aliviando-se do fardo que carregou por um longo período.

2. Tentar ser feliz dá trabalho, mas sempre compensa

Mr. Peanutbutter sempre foi sinônimo de otimismo e alegria durante toda a vida de BoJack. Ele parecia receber doses de “felicidade” em uma bandeja de ouro ao longo de toda a sua trajetória e conseguia se relacionar com facilidade. No entanto, apesar de sua persona intensamente feliz, ele nunca estava completamente satisfeito e contente como parecia.

Nas últimas temporadas, o Mr. Peanutbutter passou a reconhecer seu “modo padrão de carisma” ao perceber que seu antigo estilo de vida o levaria a seguir caminhos nem sempre seguros e confortáveis. Além disso, ele passou a aceitar que poderia continuar satisfeito, mas nunca totalmente feliz, pois a genuína felicidade e realização pessoal requer mais autoconsciência do que parece.

1. A vida não tem garantia de estabilidade (e nem mesmo a morte)

No episódio “The View From Halfway Down”, BoJack conhece as pessoas que foram mortas na série quando ele próprio se aproxima da morte. Quando ele está morrendo, ele percebe que, embora sua vida estivesse por um fio, ele pelo menos tinha algum senso de controle, o que no fim das contas é algo que BoJack sempre desejou. Obviamente, a morte não concedeu isso e acabou sendo representada como um abismo negro.

De qualquer forma, BoJack já estava imaginando que estava em um verdadeiro abismo na sua vida, mas ver a escuridão dessa forma o fez perceber que a perda permanente do suposto controle sobre a vida era o que mais o assustava, ajudando-o a compreender o principal fator que levou a sua vida a um nível tão conturbado.

E você, já assistiu a última temporada de BoJack Horseman? O que achou do final da série? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Você também pode gostar de