Games, Filmes e TV, Momento Crítica, Nostalgia

Análise: Super Mario Odyssey (Nintendo Switch)

No dia 3 de março de 2017, a Nintendo lançou o Nintendo Switch. Mas havia um porém: Ele foi o terceiro console da empresa sem um Super Mario em lançamento. Isso afetar as vendas do console é uma questão de sorte, já que o GameCube não teve um Super Mario em seu lançamento e é o terceiro maior fracasso comercial da Nintendo, já o Wii é o console de mesa mais vendido da empresa.

Mas a espera valeu a pena e em outubro desse ano a Nintendo lança a seu novo console uma aventura nova do bigodudo, o game Super Mario Odyssey. Bem, quem me acompanha mais de perto em minhas redes sociais sabe meu amor pela Nintendo e suas franquias, sou um fã assíduo dos jogos do encanador, joguei todos os principais jogos (exceto Super Mario Sunshine, de Nintendo GameCube e o Super Mario 3D World de Wii U, por mais que eu tenha jogado a versão de 3DS do jogo, o Super Mario 3D Land). Então sem enrolar muito, vamos ao review!

HISTÓRIA

Exigir história de Super Mario é como exigir uma qualidade de imagem profissional de uma webcam, mas confesso que fiquei surpreso com os detalhes do enredo. Ele é essencialmente o mesmo dos outros jogos, porém mais detalhado e com uma característica a mais: Agora Bowser quer casar com a Princesa Peach e rouba a irmã de uma boina chamada Cappy, Tiara. Logo, o objetivo do jogo é salvar a Princesa Peach e Tiara. Mas acredite, esse pequeno detalhe muda totalmente a trama do jogo. Mas afinal, quem é o Cappy?

 

CAPPY

O Cappy é o nosso personagem parceiro de aventura. Ele é um meio-termo do jogo. Ao mesmo tempo que muita gente o considera um power-up, ele pode ser considerado um personagem, algo semelhante com o Yoshi que também gera muita discussão sobre. Mas é parte essencial da sua experiência do jogo que provavelmente não faria sentido sem ele. Todas as fases, ou mundos, são baseados na mecânica de interagir com o Cappy, seja jogando a boina em uma nuvem para ela se abrir, ou possuindo um inimigo. Mas sobre possuir inimigo…

GAMEPLAY

Muita gente reclama que os jogos de Mario, desde Super Mario 64, é essencialmente a mesma coisa. Se você é um desses, Odyssey é o seu jogo. Ele tem características muito diferentes da série Mario, mas isso passa longe de ser negativo. O jogo é diferente, mas um diferente bom. É bem parecido com Zelda: Breath of The Wild nesse aspecto, o game pega você e te joga em um mundo enorme para você explorar. Os mini games são realmente divertidos, lembram bastante os de Super Mario 64. Mas a mecânica principal do jogo é o fato de você conseguir possuir inimigos! Isso me pareceu arriscado inicialmente, pois como você vai diferenciar essa mecânica? Vai ser só o Super Mario com uma skin em jogabilidade como Super Mario Maker ou algo novo?

A Nintendo escolheu a última opção e ela sinceramente funcionou muito bem! As limitações de jogabilidade fazem dessas horas muito legais. Quando você vê um inimigo novo, a vontade de possuir pra saber como é jogar com ele, como são suas mecânicas diferentes e suas limitações é simplesmente fascinante e muito natural! Se você já quis possuir um Goomba, por exemplo, você vai jogar como um Goomba! Isso funciona com todos inimigos. Há poucas coisas que você não consegue possuir nesse game. As power moons do jogo são bem distribuídas. Mesmo os mundos sendo pequenos, o jogo não te enche de power moons, nem possui poucas power moons. A dificuldade dos inimigos é bem variada, mas em resumo é justa. Quando você morre é porque você não teve capacidade de passar daquela determinada parte ou bobeou, não porque o jogo foi injusto e apelativo. Sem contar as partes 2D homenageando o Super Mario Bros. de NES, essas partes me fizeram abrir um sorriso e um olho brilhando de nostalgia.

JOGABILIDADE

Resumindo em uma palavra: Precisa. A jogabilidade desse jogo é extremamente precisa. Às vezes, até demais. A sensibilidade da câmera pode ser facilmente alterada caso tenha um gosto peculiar, mas o jogo em si é redondinho nesse aspecto. Até mesmo possuindo personagens, mesmo com suas limitações, a jogabilidade é extremamente precisa.

CHEFES

Os chefes do jogo são honestamente bem fáceis. Na verdade, o que faz um chefe ser fácil ou não, é você. O ponto fraco de todo chefe é você utilizar o ataque dele contra ele mesmo, se você souber a mecânica de ataque dele, que não é muito difícil, você o domina facilmente. O chefe mais difícil na minha opinião é o dragão de Ruined Kingdom.

REINOS  

Os reinos, ou mundos, ou níveis, são lugares no qual o jogo se passa. Não darei spoilers do jogo, mas basicamente ele possui  mais de 15 mundos, alguns você só desbloqueia após terminar o jogo. Meu reino favorito de longe é o Metro Kingdom, onde se passa New Donk City.

LUIGI’S BALLOON WORLD

O modo online do jogo, além dos mini games do Metro Kingdom, é esse. É um modo de jogo muito divertido no qual você ganha moedas no game correndo atrás de balões de outros jogadores, assim como você pode por os seus. É um conteúdo pós-game que você realmente vai se ver jogando com frequência. Queremos o Luigi como personagem jogável, mas aceitamos esse modo.

TRILHA SONORA

A trilha sonora desse jogo é orquestral, como todo Super Mario. Algumas músicas são de fato músicas recicladas ou remixadas, mas há muitas músicas novas e épicas nesse jogo, e você se verá cantarolando algumas delas.

GRÁFICOS E PONTOS ADICIONAIS

Os gráficos desse jogo são lindos! No primeiro reino, o Cap Kingdom, há muito serrilhado por algum motivo, mas isso só acontece nesse reino. Em todos os outros todas as texturas, resoluções e coisas do tipo são muito bem construídas. Pra você ver alguma textura borrada, ou mal-acabada, só dando um zoom muito grande na imagem no modo de foto. Aliás, esse jogo possuí um modo para print, estilo Super Smash Bros. de Wii U! Ele funciona muito bem e é muito bom para registrar fotos com um clima mais épico.

Você também tem roupas para customizar o Mario que compra com moedas do jogo, sim, as moedas agora servem para o que elas deveriam servir, também há moedas regionais que você só obtém naquele determinado reino.  As roupas em sua maioria são mais easter eggs de jogos de Mario (sejam eles spin-offs ou da franquia principal) que roupas novas propriamente ditas, mas há roupas novas também. Os mini games do jogo são realmente divertidos, lembram muito os de Super Mario 64.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Se você tem um Nintendo Switch, é sua obrigação comprar Mario Odyssey! Ele é facilmente o melhor Super Mario de toda a franquia, a minha nota pra ele será… Espera, você não sabe como funciona o sistema de notas? Bem, ninguém sabe, porque eu nunca introduzi ele. Mas basicamente todo jogo será avaliado com uma nota não especificada em números, mas sim em elogios. Há 6 níveis de avaliação:

  • Passe longe – para jogos que realmente não valem seu dinheiro, no qual estou fazendo um trabalho a sociedade os avaliando assim.
  • Ruim – Um jogo que é simplesmente ruim.
  • Médio – Um jogo que não chega a ser necessariamente bom, mas é um jogo que cumpre suas expectativas
  • Bom – Um jogo levemente acima da média em cumprir sua expectativa.
  • Ótimo – Um jogo bem acima da média em cumprir sua expectativa.
  • Clássico – Um jogo que ficará marcado como um verdadeiro clássico, que está entre os melhores da geração, que efetivamente vale o seu dinheiro e será lembrado pelos próximos anos.

E Super Mario Odyssey recebe um… Clássico!  Um verdadeiro clássico da geração e um eterno jogo na lista dos melhores jogos do Nintendo Switch.

E então caro leitor, gostou da análise? Se sim, comente! (E mostre para seus amigos fãs de Super Mario! :))

Participe! Deixe seu comentário...

Você também pode gostar de