Bizarro, Mistérios

Creepypasta: O sangrento quarto amarelo da Peppa Pig

Talvez você pense que essa história seja um pouco pesada demais para ter alguma ligação com o suposto inocente desenho da Peppa Pig. Mas o episódio perdido dessa animação revela muito sobre o que realmente estava por trás da mente dos criadores. Todo mundo deve saber que antes de ir ao ar, as séries passam por uma verdadeira curadoria dos profissionais e diretores da emissora, principalmente para evitar que um conteúdo de duplo sentido ou algo considerado muito pesado seja exibido para crianças. Tudo relacionado a essa série infantil e a história macabra do quarto amarelo começou já na ideia original da trama.

Foi imaginado em primeiro plano que essa série mostrasse como as crianças deveriam se comportar quando perdesse alguém próximo de sua família. Mostrar para as crianças como lidar com assuntos mais adultos sempre foi a vontade principal de quem criou esse desenho animado. E o tal quarto amarelo era uma forma projetada pelos criadores de Peppa Pig para tratar as mortes de personagens secundários e terciários do desenho infantil. Eles queriam tratar o quarto amarelo como uma espécie de “açougue”, onde os personagens morreriam e seriam depois devorados pelos próprios colegas de série: uma espécie de mostrar que a vida é imperfeita e que a cadeia alimentar precisa ser respeitada.

No episódio em questão, Peppa perderia o seu avô. Ele seria o primeiro personagem a ser morto na história e o motivo? Estavam se aproximando as comemorações festivas e os personagens responsáveis pela captura dos animais (humanos) entrariam em cena. O episódio que chocou a todos foi contado por um ex-funcionário em um fórum da internet e, segundo ele, algumas crianças tiveram acesso ao episódio, principalmente para que fosse testado quais efeitos aquele conteúdo teria.

O episódio, primeiro da série, começava com um tom sombrio, mas com uma música bem animada. Peppa e os pais iam visitar os avós e, ao chegar no local, eles iniciaram a conversa sobre as festividades da Ação de Graças. O avô de Peppa se mostrou muito preocupado com a proximidade daquela data: “perdi um antigo colega de faculdade no último ano”, deixando claro que os mais velhos eram os escolhidos para irem ao quarto amarelo. Inocente, Peppa pergunta o que seria o tal quarto amarelo e tem a temida resposta: “o local onde todos iremos um dia para descansar e dar alegria para muita gente”.

O episódio chega ao seu clímax quando os seres humanos aparecem. Completamente estranhos e vestindo uma roupa branca com inúmeras marcas vermelhas, os homens já apareciam em cena com facas nas mãos e, na frente da personagem principal, um deles cravou a faca o pescoço do velho avô. A roupa ficou ainda mais vermelha com o sangue que o corte espirrou. Talvez por inveja de também não ter matado um porco, o outro humano escolhe a avó de Peppa como prato de ação de graças. O corte no meio das costas da velha porquinha rendeu um outro rio de sangue. Os pais de Peppa e ela fugiram correndo. A cena corta para uma sala amarela onde é possível ver os restos mortais dos porcos sendo cortados e tratados para serem assados.

Após mais um corte brusco, Peppa e os pais já estão em casa, lavando as roupas com os respingos de sangue dos entes-queridos. A tela corta pela última vez e mostra a mesa dos humanos completamente reunida com os porcos assados sendo devorados sob a mesa. Um dos humanos reúne o resto da comida e se debruça pela janela do quarto amarelo e arremessa os restos de comida. A cena corta novamente para Peppa e seus familiares que estão ainda traumatizados com o que aconteceu. Alguém chama na porta: é o entregador com uma caixa de pizza. Ao abrirem a caixa, eles se deparam com os restos jogados pela janela e os comem.

As crianças que assistiram esse episódio apresentaram quadros preocupantes, de acordo com psicólogos. As imagens foram identificadas como assassinato e canibalismo. O episódio precisou ser excluído por completo do sistema da emissora e outros profissionais foram convidados para escreverem o atual formato do desenho.

Você também pode gostar de