Curiosidades, História

Quem inventou o sino?

O sino é um dos instrumentos de percussão mais antigos do mundo. Sua habilidade única de produzir sons fortes que podem alcançar grandes distâncias foi inicialmente usada por várias culturas e civilizações antigas como um meio de comunicação, sendo adotado como instrumento musical apenas alguns anos depois de sua invenção. Mas afinal, quem foi o responsável pela criação do sino?

Infelizmente, é impossível apontar com exatidão quem foi a primeira pessoa que chegou a desenvolver o sino como conhecemos, mas certamente podemos concluir que ele era chinês. Os primeiros modelos de sinos foram encontrados na antiga China, há cerca de 4000 anos atrás. Já os sinos com um visual mais moderno e feitos de metal especialmente moldado apareceram pela primeira vez na história moderna no primeiro milênio aC. No começo, esses sinos eram usados ​​apenas como uma forma prática de espalhar informações, como comunicar os trabalhadores de que o horário de trabalho havia chegado ao fim. Por volta do século III aC, os metalúrgicos ​​conseguiram desenvolver a produção de tal maneira que a fabricação do “sino de duas notas” ou “sino musical” se tornou muito popular. Este design contava com uma forma que era capaz de produzir mais de uma nota, o que permitiu a sua utilização em várias apresentações musicais.

Antigos sinos chineses.

A ascensão da popularidade dos sinos na China logo fez com que ele se tornasse um símbolo de grande status. Vários sinos com desenhos especialmente elaborados começaram a aparecer por todo o país, de modo que a realeza e a nobreza passaram a vê-lo como um símbolo de poder. De fato, os antigos imperadores chineses contavam com quatro sinos de cada lado em sua residência, duques ou príncipes tinham três e os ministro ficavam com dois.

Após o desenvolvimento inicial na China, os sinos começaram a se espalhar pela Ásia, muitas vezes com significados profundamente ligados à religião. O budismo e o hinduísmo adotaram os sinos como partes integrantes de suas cerimônias religiosas, o que levou à crença de que um templo não poderia deixar de ter um sino dentro dele. A popularização dos sinos na cultura ocidental começou no século 5 dC, na Itália, onde os monges beneditinos da região de Campana aprenderam a moldar o ferro e a criar sinos com variedades diferentes. A aceitação absoluta dos sinos veio no século 15, após o surgimento da Renascença, que por sua vez mudou a arquitetura e o modo de vida de praticamente toda a Europa.

Sinos em igreja ortodoxa na Rússia.

No século XVII, as pessoas descobriram que os sinos poderiam ser usados ​​como instrumentos musicais relativamente sofisticados. Os irmãos François e Pierre Hemony foram os primeiros a conseguir isso ao criarem sinos capazes de produzir cinco tons distintos. Hoje, os sinos são usados ​​em todo o mundo, tanto em cerimônias religiosas, como na música e em vários eventos culturais.

História interessante, não é mesmo? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Você também pode gostar de