Saúde

Para que serve o Égide?

Para que serve o Égide?

Há alguns dias fui diagnosticada com enxaqueca crônica, o que significa que as dores de cabeça que eu tinha diariamente continuarão para sempre a não ser que eu faça um tratamento de um mínimo de 6 meses com um certo remédio chamado Égide.

Quer dizer, existem diversos remédios que poderiam ser utilizados para o meu caso, porém minha médica optou por este para fazermos a tentativa. Porém, ao conversar um pouco com ela descobri que Égide é um medicamento anti-convulsivante e fiquei um tanto confusa. Se tenho enxaqueca, por que estou tomando um remédio para convulsão galera? Porém, ao pesquisar descobri que isso é perfeitamente normal e que muitas pessoas fazem este tratamento. Como muitos devem ter ficado tão confusos quanto eu, decidi fazer uma matéria com todas as minhas descobertas. Espero que você goste e fique satisfeito.

Para que Égide é indicado?

Pois bem, Égide é um anti-convulsivante e possui diversas indicações. É indicado para monoterapia em pacientes com epilepsia recém-diagnosticada e também em pacientes que utilizavam terapia adjuvante e irão agora optar por monoterapia. É indicado a adultos e crianças como adjuvante no tratamento de crises epiléticas parciais com ou sem generalização secundária e crises tônico-clônicas generalizadas primárias. Também é indicado para crianças e adultos como tratamento adjuvante a crises associadas a chamada Síndrome de Lennox-Gastaut e indicado para adultos no tratamento profilático da enxaqueca.

Como Égide funciona?

Como disse anteriormente, o égide é um medicamento cujo objetivo é impedir a convulsão, porém o mesmo possui diversos mecanismos de ação para tratar a epilepsia e a profilaxia da enxaqueca. Seu principio ativo, o topiramato, atua em diversos processos químicos do cérebro, assim reduzindo a hiperexcitabilidade das células nervosas que podem causar as crises de convulsão e enxaqueca.

Em quanto tempo Égide começa a fazer efeito?

Pacientes que foram diagnosticados há pouco ou que começaram agora a ter Égide como seu único medicamento contra epilepsia começarão a ter os efeitos terapêuticos em duas semanas após o início do tratamento. Já crianças e adultos que utilizam Égide como terapia associada a outros medicamentos para controlar convulsões generalizadas tônico-clônicas ou parciais terão os efeitos nas primeiras quatro semanas de tratamento. Por último, pacientes adultos de prevenção a enxaqueca terão os efeitos terapêuticos observados após o primeiro mês do início do tratamento.

Existem efeitos colaterais?

Sim, muitos. Hehe. Na bula do medicamento você encontra todos os efeitos colaterais que podem ser causados do mais comum ao mais raro de acordo com cada quantia do remédio receitada. Aqui, citaremos apenas os mais comuns, também vou dar um pouco da minha experiência pessoal de quem já tomou 5 comprimidos. Então, segundo a bula do medicamento os efeitos colaterais mais comuns são sonolência, tontura, cansaço, perda de peso, irritabilidade, parestesia (formigamento), bradipsiquismo (lentidão do pensamento), coordenação anormal, diplopia (visão dupla), letargia (perda temporária ou completa da sensibilidade e do movimento), nistagmo (movimentos oculares oscilatórios), anorexia, visão turva, disartria (dificuldade para falar), comprometimento da memória, diminuição do apetite e diarreia.

Nesses 05 dias eu já senti enjoo, tontura, sonolência, formigamento, falta de apetite, lentidão no pensamento e diarreia. Porém, nada alarmante. Quando a enxaqueca, tive crises em quase todos os dias, como já era de costume, então ainda não senti nenhum efeito positivo. Porém, como a médica mesmo já havia mencionado, já era de se esperar já que os primeiros efeitos devem aparecer apenas após um mês de tratamento.

E você, já utiliza Égide? Para qual fim? Vai começar agora o tratamento? Comente, vamos trocar experiências!

Leia Também: