Curiosidades, História

Conheça a história da primeira casa no mundo a ter luz elétrica

Conheça a história da primeira casa no mundo a ter luz elétrica

Quase uma década antes de Thomas Edison dar início aos seus trabalhos com lâmpadas incandescentes e desenvolver uma maneira mais acessível de levar o mundo da eletricidade para as residências, uma bela casa de campo perto da cidade de Rothbury, no Condado de Northumberland, na Inglaterra, já era totalmente iluminada por eletricidade. Naquele tempo, não havia nenhuma rede elétrica nacional que você pudesse usar, ou seja, se você quisesse eletricidade, teria que gerá-la por conta própria. A maioria das pessoas não tinha o conhecimento tecnológico ou os objetos necessários para iluminar suas casas com lâmpadas elétricas. No entanto, William Armstrong, um inventor e um rico industrialista da época, conseguiu o que antes era improvável.

Juntamente com o arquiteto Richard Norman Shaw, William Armstrong construiu Cragside, uma casa com características de mansão nas encostas de uma pequena colina nos arredores de Rothbury. Ele então equipou a casa com todos os tipos de invenções à frente de seu tempo, como uma lavanderia movida a água, uma versão inicial de uma máquina de lavar louça, um elevador hidráulico, uma churrasqueira hidroelétrica, entre outras coisas.

Para fazer todas essas máquinas funcionar, Armstrong represou uma série de pequenos riachos na área ao redor para criar um total de cinco reservatórios. Em um deles, Armstrong  instalou um motor hidráulico que acionava as várias máquinas hidráulicas de sua casa. Um ano depois, em 1870, o inventor instalou um dínamo que deu origem à primeira usina hidrelétrica doméstica do mundo. A eletricidade desta usina foi usada para abastecer Cragside e os muitos edifícios agrícolas da propriedade, oferecendo-lhe uma vantagem inimaginável para a época.

A primeira sala a ser eletricamente iluminada foi a galeria da residência. Apenas uma única lâmpada de arco foi presa ao teto. Mais tarde, toda a casa foi ligada na eletricidade. Em determinado momento, havia doze lâmpadas suspensas na galeria e oito lâmpadas adicionais que podiam ser ligadas quando as lâmpadas da sala de jantar não eram mais necessárias.

Armstrong continuou a ampliar e melhorar sua usina de energia ao aumentar a sua capacidade consideravelmente. Mas depois de sua morte, a casa acabou sendo abandonada. Depois de quase um século de negligência, a fonte de energia original da casa foi finalmente restaurada em 2006. Uma atualização adicional em 2014 elevou a capacidade dos geradores para 12 kW, o suficiente para acender todas as 350 lâmpadas da casa. Cragside está aberta ao público desde 1979.

Interessante, não é mesmo? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Leia Também: