Curiosidades, Mistérios

5 parques de diversões abandonados rodeados de histórias sinistras

5 parques de diversões abandonados rodeados de histórias sinistras

Por motivos óbvios, os parques de diversões são construídos com o objetivo de promover lazer e entretenimento para todos os membros da família. De fato, é um tanto comum compartilharmos bons momentos nesses locais, o que muitas vezes pode até nos trazer grandes recordações.

No entanto, por incrível que pareça, existem alguns parques de diversões abandonados que sempre estiveram envoltos em muito mistério e infortúnios, causando medo e arrepios naqueles que se deparam com suas histórias.

Nesta lista, nós vamos analisar cinco parques de diversões que contam com um passado sombrio o suficiente para arruinar qualquer diversão envolvida. Confira!

5. Reino de Gulliver

O Japão sempre foi conhecido por ter algumas ideias interessantes quando se trata de parques e arquitetura. No entanto, o parque Reino de Gulliver, localizado na base do Monte Fuji, foi um grande fracasso. Esse parque temático, baseado no livro de Jonathan Swift, custou cerca de US $ 350 milhões para ser construído e contava com uma estátua de 45 metros de comprimento do próprio Gulliver.

A localização do parque, no entanto, o tornou ainda mais estranho. Nos arredores da área do parque fica a Floresta Aokigahara, mais conhecida como “floresta suicida”, considerada o segundo local com o maior número de suicídio no mundo, atrás somente da Ponte Golden Gate, em San Francisco.

Além disso, o culto apocalíptico Aum Shinrikyo, o grupo por trás dos ataques com gás Sarin no metrô de Tóquio em 1995, também possuía instalações de produção de gases nocivos na vila vizinha de Kamikuishiki. De fato, moradores e frequentadores do parque alegaram que podiam sentir o cheiro dos produtos químicos quando estavam no terreno do parque. O empreendimento foi completamente demolido em 2007.

4. Rocky Point Amusement Park

O Rocky Point Amusement Park, em Warwick, Rhode Island, era uma das atrações mais populares do estado, atraindo multidões para as suas mais de 25 atrações. No entanto, há uma marca sombria na história do parque. Em agosto de 1893, Maggie Sheffield, uma menina de cinco anos, foi morta pelo seu próprio pai, chamado Frank, enquanto eles frequentavam o parque.

Frank havia sofrido um ferimento na cabeça pouco antes de Maggie nascer, tornando-o mentalmente instável. Embora não se saiba exatamente o que o fez perder a noção naquele dia, o fato é que ele levou sua filha para o local, onde bateu a cabeça da garotinha contra uma rocha, matando-a praticamente instantaneamente.

A morte de Maggie foi o único assassinato na longa história do parque. As diversões proporcionadas pelo parque deixaram o assassinato de Maggie esquecido ao longo do tempo e Rocky Point continuou funcionando por mais de cem anos. Infelizmente, devido a problemas financeiros, o parque foi forçado a ser fechado em 1995, encerrando mais de 150 anos de diversão em família no estado de Rhode Island.

3. Lake Shawnee Amusement Park

Os brinquedos enferrujados e cobertos por vegetação do Lake Shawnee Amusement Park servem como um lembrete dessa fracassada atração do estado americano da Virgínia Ocidental, embora o seu passado misterioso ainda sobreviva no folclore da região. Para começar, o parque foi construído sobre um cemitério de índios nativos americanos, sendo que um grupo de arqueólogos chegou a descobrir treze corpos enterrados no local, a maioria deles de crianças.

No entanto, essa não é a história mais sombria desse parque abandonado. Em 1783, Mitchell Clay foi o primeiro colono europeu a morar na área fortemente habitada pela tribo Shawnee de nativos americanos, o que originou uma grande rixa entre nativos e homens brancos. Certo dia, enquanto Clay estava na cidade, os Shawnees cercaram três das crianças de Clay, que estavam trabalhando nos campos. Uma das crianças logo foi baleada, enquanto outra foi atacada e cortada com uma faca, tendo o seu corpo desmembrado. A terceira criança também teve um fim trágico, sendo capturada e queimada em uma fogueira.

Por conta disso, um marco histórico foi erguido na estrada que leva ao parque em memória das vítimas. Curiosamente, muitos moradores da região costumam se perguntar se a trágica história do local é a razão por trás das mortes de seis pessoas ao longo da história parque, que foi fechado em 1966. Até mesmo o novo dono da propriedade, Gaylord White, afirma que o local continua sendo assombrado.

2. Joyland Amusement Park

Quando foi inaugurado em 1942, o Joyland era considerado o maior parque de diversões do estado americano do Kansas, contando com brinquedos como um trem, uma roda gigante, uma montanha-russa e vários outros brinquedos, assim como concertos e festivais ao ar livre. Embora o parque tenha sofrido várias mortes relacionadas aos seus brinquedos desde a sua abertura, foi o assassinato de um funcionário do parque que acabaria por lançar algumas sombras macabras sobre o parque em 1982.

Na ocasião, o funcionário Michael King se envolveu em uma briga contra quatro rapazes, com idades entre 17 e 21 anos. King foi esfaqueado até a morte. Após o assassinato, o parque continuaria a operar e a crescer em tamanho, chegando até a acrescentar uma outra montanha-russa, mas outras tragédias continuariam a atormentá-lo.

Anos mais tarde, um funcionário da manutenção do parque foi morto após ser atropelado por uma montanha-russa e, em 2004, uma menina de 13 anos ficou gravemente ferida após a queda de uma roda gigante de nove metros, o que levaria a uma série de problemas financeiros e disputas judiciais. Os 57 acres do Joyland foram comprados em 2018 por Gregory e Tina Dunnegan, proprietários de empresas de tendas que planejam trazer um novo ar de alegria ao parque abandonado, transformando-o em um local de eventos ao ar livre para casamentos, shows e caravanas itinerantes.

1. Pripyat Amusement Park

Por incrível que pareça, a história mais triste envolvendo um parque de diversões não aconteceu em um parque em pleno funcionamento. O Parque de Diversões Pryyat, em Pripyat, na Ucrânia, deveria ter sido inaugurado em 1 de maio de 1986, mas cinco dias antes de sua inauguração programada, acontecia o desastre de Chernobyl nas suas proximidades, resultando em trinta mortes nos meses seguintes à explosão do reator de número 4 da usina.

O parque contaria com várias atrações, incluindo carrinhos de bate-bate, um carrossel e uma roda-gigante. De fato, a roda-gigante ainda está de pé até hoje, totalmente enferrujada, mas imponente sobre o cenário de destruição que cerca a área. Já os carros de bate-bate compõem a parte mais afetada pela radiação no parque, devido à vegetação exuberante que os cerca.

Acredita-se que o parque até tenha ficado aberto por um dia, mais precisamente em 27 de abril, como uma forma de acalmar os moradores locais antes de serem forçados a arrumar seus pertences e serem transportados de ônibus para fora da cidade para nunca mais voltarem. Hoje, toda a cidade de Pripyat, incluindo o parque de diversões abandonado, faz parte do “turismo sombrio” da região, que inclui visitas guiadas pelas ruínas de Chernobyl e de vilas abandonadas nos arredores.

Sinistro, não é mesmo? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Leia Também: