Curiosidades

Por que a pele fica enrugada à medida que envelhecemos?

Por que a pele fica enrugada à medida que envelhecemos?

Embora exista uma grande possibilidade de você ser uma pessoa jovem de pele pura, suave e sem manchas, você já deve saber muito bem que, à medida que envelhecemos, a pele tende a ficar cada vez mais enrugada. No entanto, a indústria dos produtos antienvelhecimento gera mais de US $ 50 bilhões a cada ano, portanto, proteger a pele contra rugas e outros sinais de envelhecimento é claramente algo que preocupa uma grande parte da população.

Ainda assim, uma questão continua pertinente: afinal de contas, por que o corpo humano não é capaz de manter a mesma integridade com o passar do tempo? O que inevitavelmente leva as pessoas a desenvolver rugas à medida que envelhecem?

Ao longo desse artigo, nós vamos explorar alguns tópicos que ajudam a explicar por que o nosso corpo não consegue preservar uma pele macia e sem manchas pelo resto da vida.

A composição da pele

Antes de abordarmos as ameaças à nossa pele e as causas por trás dos sinais do envelhecimento, é importante entendermos melhor essa estrutura fundamental que reveste o nosso corpo. Para começar, a pele é o maior órgão do corpo humano e é mais formalmente conhecida como “sistema tegumentar”. Esse sistema cobre todo o corpo (com exceção de certas membranas mucosas expostas ao ambiente externo) e desempenha um papel importante na imunidade, bem como na regulação da temperatura, sensibilidade, entre outros.

Nossa pele é composta por três camadas básicas: epiderme, derme e hipoderme. A hipoderme é a camada mais baixa da pele e é constituída principalmente células adiposas, vasos sanguíneos, nervos e tecido conjuntivo frouxo. É também nessa região que as raízes dos folículos capilares estão localizadas.

A derme é a camada intermediária da pele, situada entre a hipoderme e a epiderme. A camada da derme consiste em tecido conjuntivo irregular, nervos, vasos sanguíneos, folículos capilares, colágeno e fibras elásticas. Mais especificamente, a derme contém mastócitos, fibroblastos e macrófagos. Essa também é a região da pele com mais terminações nervosas relacionadas à sensação, incluindo temperatura e pressão.

No caso da epiderme, a maioria das células encontradas nessa região são queratinócitos, que formam conexões com os nervos abaixo da superfície da pele. Há também melanócitos e várias outras células especializadas em pequenos números. A epiderme serve como a principal junção para qualquer resposta imune da pele, bem como para a transferência de líquidos através da barreira cutânea. Esta seção da pele é composta por camadas de células achatadas, cuja profundidade pode resultar em uma pele “grossa” ou mais “fina”.

Envelhecimento intrínseco

Nossos corpos são máquinas complexas, mas como acontece com qualquer máquina, elas se desgastam com o tempo e tendem a apresentar um desempenho inferior em comparação a sua eficiência máxima. Quando somos jovens, nossa epiderme é saudável e cheia de vida, em grande parte devido à presença de colágeno, elastina e glicosaminoglicanos. Esses três compostos fornecem firmeza, elasticidade e hidratação, que são a chave para suavizar a pele que se recupera toda vez que você sorri ou franze a testa.

No entanto, à medida que você envelhece, a oferta desses compostos diminui. A partir dos 20 anos, o corpo tender a produzir uma quantidade menor de colágeno (cerca de 1% a menos a cada ano), o que pode diminuir a espessura da camada celular achatada, levando a uma pele mais fina. Além disso, também é produzida menos elastina, fazendo com que sua pele seja menos capaz de se recuperar quando for puxada ou esticada.

Menos glicosaminoglicanos também significa que a pele fica menos capaz de se manter hidratada, enrugando-a mais facilmente. Também vale destacar que os depósitos de gordura na hipoderme diminuem com o tempo, gerando menos suporte para as camadas superiores da pele. Na prática, isso pode levar ao desenvolvimento de uma pele mais solta ou flácida, que por sua vez tornará mais evidente o aparecimento de rugas.

Em resumo, não importa o quanto você lute para se defender contra o envelhecimento intrínseco, ele é um processo universal que afeta a todos, mas seus efeitos são relativamente mínimos. Quando exacerbados pelo envelhecimento extrínseco, no entanto, os sintomas do envelhecimento intrínseco podem ser muito mais evidentes.

Envelhecimento extrínseco

Embora você não possa fazer muito para evitar o envelhecimento intrínseco, o envelhecimento extrínseco é amplamente determinado pelo estilo de vida e pelas escolhas pessoais. Fatores ambientais ou externos podem ter muito mais impacto na aparência geral do que o envelhecimento natural descrito acima. Alguns dos elementos mais comuns do envelhecimento extrínseco incluem tabagismo, exposição a agentes nocivos e toxinas na pele.

Por exemplo, se você fuma, o ingrediente ativo dos cigarros (nicotina) causará um estreitamento dos vasos sanguíneos abaixo da superfície da pele. Consequentemente, isso reduzirá a entrega de oxigênio e outros nutrientes importantes para o corpo, levando a uma flacidez da pele muito mais cedo do que a pele solta característica do envelhecimento intrínseco.

A exposição a toxinas, como poluição, também pode afetar negativamente a saúde da pele. Nadar ou tomar banho regularmente em água impura ou expor a pele constantemente a poluentes atmosféricos também pode causar microinflamações na pele, que o corpo tentará remediar. Nesse caso, a solução do corpo pode se resumir à remoção do excesso de colágeno através da atividade enzimática, levando a um desenvolvimento muito mais rápido das rugas.

No entanto, a causa mais comum das rugas é a exposição aos elementos naturais, especialmente à luz solar. A radiação UV da exposição ao sol pode levar a uma série de problemas, incluindo câncer, manchas solares e sardas. Mais importante, ela pode acelerar o declínio do colágeno, elastina e glicosaminoglicanos, deixando a pele com aparência áspera, descolorida, seca, solta e profundamente enrugada.

Maneiras de prevenir rugas

A forma mais eficaz de prevenir as rugas é evitar a exposição excessiva ao sol. Embora uma certa quantidade de luz solar seja essencial para manter os níveis saudáveis de vitamina D, a exposição excessiva à radiação UV sem proteção pode causar queimaduras solares, além de danos nos tecidos profundos no nível celular, aumentando as chances de um envelhecimento prematuro ou até mesmo o desenvolvimento de câncer.

Manter a pele hidratada também é essencial. Usar cremes hidratantes de boa qualidade é uma excelente forma de diminuir a aparência das rugas e garantir que a pele tenha todos os nutrientes e umidade necessários. Comer uma dieta saudável rica em alimentos antioxidantes e anti-inflamatórios também é uma ótima maneira de contribuir para a saúde do tecido, aumentando a elasticidade e promovendo a produção de colágeno.

Interessante, não é mesmo? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Leia Também: