Curiosidades

Qual é o maior lagarto do mundo?

Qual é o maior lagarto do mundo?

Quando pensamos em lagartos, nós geralmente tendemos a pensar nas pequenas criaturas que vivem escondidas nos cantos de bangalôs exóticos ou naqueles bichos que adoram passear em locais com vegetação. No entanto, você sabia que existe um certo grupo composto por lagartos bem maiores do que aqueles que vemos diariamente? De fato, alguns desses lagartos são tão grandes que o deixarão surpreso!

O dragão-de-komodo (Varanus komodoensis) é a maior espécie de lagarto do mundo. Esta espécie pode crescer até 2,6 metros de comprimento e pesar mais de 90 quilos, o que não apenas o torna o maior lagarto do planeta, mas também o mais pesado! Meio louco de imaginar isso, não é mesmo? Até porque, enquanto alguns lagartos são minúsculos e dóceis, o dragão-de-komodo é enorme e combativo.

Caso você nunca tenha visto ou aprendido sobre um dragão-de-komodo, ou se você simplesmente quer saber mais sobre esse animal majestoso, continue lendo o nosso artigo. Nós vamos explorar alguns detalhes que tornam essa criatura ainda mais interessante!

Por que os dragões-de-komodo são tão grandes?

Como você já deve saber, as ilhas são remotas em termos de localização e, como resultado, muitas espécies de características predadoras são incapazes de alcançar esses habitats. Assim, as poucas espécies que habitam ilhas evoluem de uma maneira mais ou menos “imperturbável”. Consequentemente, esse afastamento também permite que as espécies evoluam mais rapidamente do que aquelas restritas ao continente.

Os dragões-de-komodo geralmente pesam cerca de 70 a 90 kgs, mas alguns indivíduos já cresceram para mais de 160 kgs. Os dragões-de-komodo são encontrados em número limitado em algumas das Pequenas Ilhas da Sonda, um grupo de ilhas na Indonésia. Esses animais vivem habitualmente dentro das florestas tropicais comuns nessas ilhas. Em geral, há informações limitadas sobre o número de dragões-de-komodo que vivem em estado selvagem, mas sabe-se que a espécie está vulnerável à extinção.

Vale destacar que os dragões-de-komodo são carnívoros e comem quase qualquer tipo de carne que encontram pela frente. Os mais jovens se alimentam de insetos e pequenos lagartos, enquanto os mais velhos podem devorar macacos, javalis e até cabras. Eles geralmente esperam pacientemente para pegar suas presas, pois sua pele os ajuda a camuflar facilmente. Consequentemente, o seu tamanho grande também resultou em intestinos maiores, o que lhes permite comer grandes quantidades de alimentos nas suas caçadas pelas ilhas.

Os músculos de suas mandíbulas e garganta lhes permitem engolir grandes pedaços de carne em velocidades muito rápidas. Na maioria das vezes, os dragões-de-komodo consomem toda a sua presa, deixando muito pouca carne e ossos. Curiosamente, quando um dragão-de-komodo se sente ameaçado, ele pode vomitar o que comeu rapidamente com o objetivo de diminuir o seu peso e fugir mais rápido do seu predador.

Como eles conseguem capturar suas presas com corpos tão grandes?

Os dragões-de-komodo podem correr a velocidades surpreendentemente altas (podendo chegar a quase 20 km/h), mas apenas por um curto período. Na maioria dos casos, eles geralmente ficam em um local esperando a presa chegar até eles. Devido ao seu grande tamanho, a maioria das tentativas de capturar presas não tem êxito, mas caso ele seja capaz de pegar sua presa e mordê-la, o veneno de sua saliva matará a criatura em alguns dias.

Curiosamente, em muitos dos casos, a presa pode levar até quatro dias para morrer, mas quando isso acontece, o dragão usa seu olfato incrivelmente apurado para localizar o animal e depois deleitar-se com a refeição recém-falecida. No entanto, é importante deixar claro que, embora sejam venenosos, os dragões-de-komodo raramente atacam os seres humanos. Esses animais têm glândulas de veneno contendo toxinas que causam sangramento, impedem a coagulação e induzem uma sensação de choque nos animais que foram mordidos.

Quando caça, o dragão-de-komodo usa seus dentes para morder a presa e, em seguida, emprega seus músculos fortes no pescoço do animal, criando feridas enormes. O veneno é então injetado na presa, o que leva a vítima a um estado de choque. Alguns animais até podem ter a sorte de escapar momentaneamente, mas a sua sorte acaba assim que o veneno começa a provocar as primeiras reações após entrar na corrente sanguínea.

Como eles se reproduzem?

Como é o caso de muitos outros animais, os machos dominantes competem entre si para acasalar-se com as fêmeas. Curiosamente, os dragões-de-komodo lutam entre si através de posturas eretas, tentando jogar o oponente no chão, o que é estranhamente semelhante ao modo como os seres humanos lutam. Consequentemente, o perdedor de toda essa briga é quem perde o direito de acasalar-se com a fêmea.

Estima-se que as fêmeas depositam cerca de 30 ovos e o período de incubação gira em torno de oito meses. No entanto, o que mais chama a atenção é o fato de que, embora as fêmeas fiquem por perto para proteger e chocar seus ovos, uma vez que eles eclodem, os recém-nascidos quase não recebem cuidados dos pais, ficando praticamente “largados no mundo”.

Outro detalhe interessante é que, em meados de 2006, vários pesquisadores observaram partenogênese nos dragões-de-komodo. A partenogênese é o processo no qual a prole é produzida sem ser fertilizada pelos machos. Neste estudo, os pesquisadores descobriram que as fêmeas dessa espécie poderiam alternar entre reprodução sexual e assexual, a depender se um companheiro estivesse ou não disponível. Desse modo, quando um parceiro não está disponível, a composição genética da prole produzida se assemelha totalmente à de sua mãe.

Ou seja, com tudo o que analisamos até aqui, podemos dizer sem medo de errar que o dragão-de-komodo é um animal muito interessante. Se você tiver a chance de visitar a Indonésia, faça o possível para tentar observar essas espécies em seus habitats naturais. Há quem diga que existem poucas paisagens tão inspiradoras quanto essas criaturas lendárias na natureza selvagem!

O dragão-de-komodo é um animal realmente interessante, não é mesmo? Compartilhe o post e deixe o seu comentário!

Leia Também: